US Open: Del Potro e Djokovic jogam final e Nadal desiste com lesão

O maiorquino e número um mundial foi o jogador que mais tempo passou em 'court' ao longo da quinzena, ao registar 15 horas e 54 minutos

Patrícia Jesus
 | foto EPA/JASON SZENES
 | foto EPA/JASON SZENES
 | foto EPA/JUSTIN LANE
 | foto EPA/BRIAN HIRSCHFELD

Juan Martin del Potro e Novak Djokovic apuraram-se na sexta-feira à noite para a final do US Open em ténis, último 'major' da temporada, depois de Rafael Nadal ter desistido na meia-final com uma lesão.

O argentino e número três do 'ranking' mundial liderava a primeira meia-final, pelos parciais de 7-6 (3) e 6-2, quando o tricampeão Rafael Nadal abandonou o Arthur Ashe Sadium com uma lesão no joelho direito.

O maiorquino e número um mundial foi o jogador que mais tempo passou em 'court' ao longo da quinzena, ao registar 15 horas e 54 minutos e disputar os dois encontros mais longos, frente a Karen Kachanov (terceira ronda) e Dominic Thiem (quartos de final), e fisicamente ressentiu-se logo no primeiro 'set' ante Del Potro, que durou uma hora e nove minutos.

"No 2-2 senti algo no joelho e disse à minha equipa que algo se passava. Tentei aguentar para ver se a dor passava, mas não passou", contou o espanhol, de 32 anos.

Já com o joelho enfaixado pela segunda vez, Nadal ainda tentou acompanhar o ritmo mais intenso no segundo 'set' de Del Potro, mas, depois de avisar o árbitro britânico James Keothavong que estaria prestes a abandonar por estar com dores, desistiu de tentar defender o título conquistado há um ano em Flushing Meadows.

"Há alturas em que temos de tomar uma decisão e estava a ser difícil continuar a jogar com tantas dores. No fim, já não era um encontro de ténis. Era apenas alguém a jogar de um lado e no outro uma pessoa a sofrer. Detesto desistir, mas continuar a jogar mais um set assim seria demasiado para mim", confessou o esquerdino.

Já Juan Martin del Potro assegurou o regresso ao derradeiro encontro do US Open, que ganhou em 2009, naquela que é a sua segunda final em torneios do Grand Slam.

"Não é a melhor forma de acabar um encontro. Gosto de jogar com o Rafa porque é um dos maiores lutadores do nosso deporto. Mas não gosto de vê-lo sofrer como hoje. Estou triste por ele, mas, ao mesmo tempo, contente por seguir em frente. A chave do encontro foi o primeiro 'set' em que jogámos bom ténis, foi realmente duro, mas fiz um bom 'tie-break' e comecei a jogar melhor", afirmou o argentino, confessando-se ainda "muito contente por estar na final outra vez."

O próximo adversário de Del Potro é Novak Djokovic que, por 6-3, 6-4 e 6-2, afastou o japonês Kei Nishikori (19.º) para aceder pela 8.ª vez à final do US Open, ganha em 2011 e 2015, e assegurar uma vaga no ATP Finals.

Além de procurar o título em Nova Iorque e o 14.º major da carreira, o sérvio de 31 anos vai discutir agora com o argentino o 3.º posto na hierarquia ATP, atualmente ocupado por Del Potro. Com 2000 pontos em jogo, o vencedor do US Open passa automaticamente a figurar logo após Rafael Nadal (1.º ATP) e Roger Federer (2.º).