1.º dia de Varandas: treino às 6.00, Peseiro e visitas a Alvalade

Chegou às 7.30 ao estádio, foi a Alcochete para o primeiro cara-a-cara com José Peseiro, decidiu falar com o plantel na quinta-feira, devido aos jogos das seleções, e regressou a Alvalade para reunir com a Comissão de Gestão

Bruno Pires
© Foto Sporting.pt

Tal como tinha prometido, Frederico Varandas começou cedo o seu primeiro dia como presidente do Sporting. Pelas seis da manhã levantou-se e foi fazer um pequeno treino, um hábito que vai procurar manter, apesar da agenda de presidente ter tanto de exigente como de imprevisível.

Ainda não eram 8.00 e estava em Alvalade, onde tentou junto de alguns elementos da sua equipa delinear quais as principais prioridades a tratar. Ao que o DN apurou, o tempo voou, até porque as matérias são muitas e e de enorme complexidade. Inteirou-se do que precisava de saber, no imediato, anotou dúvidas e marcou uma reunião para o fim da tarde desta segunda-feira com a Comissão de Gestão de forma a ser feita a passagem de pastas.

Depois das 14.00 deixou Alvalade e rumou a Alcochete pela primeira vez em quatro meses para o primeiro frente a frente com José Peseiro e a estrutura do futebol, que vai ter uma baixa com o cessar de funções do médico Fernando Ferreira, sucessor de Frederico Varandas no cargo de diretor clínico. O novo presidente do Sporting vai colocar num posto que já foi seu o médico João Pedro Araújo.

O novo líder leonino entrou na Academia juntamente com dois filhos do Sporting; Beto, o seu team manager, e Hugo Viana, o homem que vai ficar com as relações internacionais dos verdes e brancos.

O diálogo com o plantel, que na sua esmagadora maioria já trabalhou com o presidente, ficou marcado para quinta-feira, dia em que os internacionais regressam a Alcochete após representarem as suas seleções.

Após a primeira visita de trabalho à Academia, na qualidade de presidente, Frederico Varandas regressou a Alvalade para reunir com Artur Torres Pereira, Sousa Cintra e Luís Marques, membros da Comissão de Gestão que centralizaram a esmagadora maioria das pastas.

Frederico Varandas dormiu pouco, esteve em atividade muitas horas e começou e terminou em Alvalade.