Jovane voltou a ser o pronto-socorro de José Peseiro

O jovem avançado de 20 anos marcou aos 88 minutos o golo que permitiu ao Sporting vencer o Feirense, por 1-0

Carlos Nogueira
Jovane e Castaignos festejam numa altura em que já pairava o fantasma do empate em Alvalade | foto Carlos Costa/Global Imagens
Bruno Fernandes muito marcado pelos jogadores do Feirense | foto  EPA/TIAGO PETINGA
Raphinha derrubado por um defesa do Feirense quando se escapava para a área | foto Carlos Costa/Global Imagens
Caio Secco defende perante Bruno Fernandes | foto TIAGO PETINGA/LUSA
Jovane Cabral festeja o seu primeiro golo na equipa principal do Sporting | foto TIAGO PETINGA/LUSA

O Sporting teve de sofrer a bom sofrer para levar de vencido o Feirense, por 1-0. Valeu à equipa de José Peseiro o jovem Jovane Cabral, de 20 anos, que se estreou a marcar no seu terceiro jogo na equipa principal dos leões.

O avançado estava no sitio certo aos 88 minutos para empurrar para o fundo da baliza um cruzamento de Ristovski e acabar com a aflição que já se vivia nas bancadas de Alvalade. E bem se pode dizer que Jovane já é uma espécie de pronto-socorro da equipa leonina, pois em Moreira de Cónegos sofreu um penálti que desempatou o jogo, com o V. Setúbal fez a assistência para o golo da vitória e agora foi ele mesmo a resolver.

Com este resultado, os leões igualam o Sp. Braga na liderança da tabela classificativa, com dez pontos, e ficam agora à espera daquilo que vai fazer o Benfica na Madeira com o Nacional e o FC Porto na receção ao Moreirense.

José Peseiro manteve o onze que há uma semana empatou a uma bola na Luz para fazer face a um Feirense que também era um dos líderes à entrada para esta jornada e apenas tinha sofrido um golo. E a verdade é que os leões entraram muito bem na partida, jogando em velocidade e na procura da baliza, beneficiando de uma rápida reação à perda da bola, que obrigava os fogaceiros a falhar as marcações. Era um ai-Jesus que obrigou a emergir Caio Secco, um guarda-redes inspirado que foi um autêntico muro intransponível para os sportinguistas.

Só que as boas indicações leoninas duraram apenas 16 minutos, altura em que o Feirense conquistou um livre frontal à baliza de Salin e Edinho atirou uma bomba que bateu na trave e saiu para fora. E aí o Sporting ficou em sentido. Baixou a velocidade, diminuiu a dinâmica e os nortenhos puderam respirar melhor e colocaram em campo a sua boa organização defensiva que obrigou os jogadores leoninos a rematarem muito de fora da área, para fazerem face às dificuldades em entrar na área contrária.

É verdade que o Feirense mantinha-se com dificuldades em sair para o ataque, mas na única vez que conseguiu meter a velocidade num contra-ataque, em cima do intervalo, quase abriu o marcador, valendo ao Sporting o desacerto de Edinho, que rematou ao lado na pequena área, depois de um passe de Fábio Sturgeon. Respiraram fundo os adeptos da casa.

No segundo tempo, o nervosismo foi apoderando-se dos jogadores do Sporting à medida que o tempo ia passando. A intranquilidade aumentava também à medida que o Feirense se foi desinibindo, saindo para o ataque planeado com muita segurança e com perigo, como foi o caso do que aconteceu ao minuto 51, quando uma excelente jogada de Luís Machado voltou a ser desperdiçada por Edinho com um remate frouxo.

Peseiro tentou depois mudar o cariz do jogo, lançando Jovane Cabral para o lugar do defesa-esquerdo Jefferson, cujas funções passaram a ser desempenhadas por Acuña. Os resultados desta substituição não demoraram. Já com o fantasma do empate a pairar, os jogadores do Sporting aceleraram um pouco e, apesar de alguma falta de clarividência, começaram a criar várias oportunidades junto da baliza de Caio Seco, que então voltou a brilhar e uma série de defesas de elevada dificuldade, das quais se destacam um remate de André Pinto, na sequência de um canto, e outro de Battaglia.

Talvez já poucos acreditavam que o Sporting conseguisse derrubar o muro fogaceiro, quando lá apareceu a jogada de entendimento entra Raphinha e Ristovski, concluída pelo herói leonino, após Castaignos, que entretanto entrara para o lugar de Montero, não conseguir desviar.

Era o ponto final de um jogo muito sofrido para os leões, que pela primeira vez esta época não sofreram golos. O Feirense mostrou ser uma equipa de qualidade em Alvalade e, a continuar assim, promete fazer um campeonato bem mais tranquilo do que na época passada.

Bastaram 22 minutos em campo para que o jovem avançado leonino se estrear a marcar de leão ao peito e salvar assim o Sporting de um embaraçoso empate em Alvalade diante do Feirense. Peseiro lançou-o para agitar o jogo e o inconformismo do miúdo fez-se notar pouco depois, procurando utilizar a sua velocidade e sobretudo num remate de longe encaixado por Caio Secco. Jovane materializou o triunfo, já depois de ter sido importante em duas jornadas anteriores. E este sábado tirou dos holofotes da fama o guarda-redes Caio Secco, que defendeu tudo aquilo que pode...

FICHA DE JOGO

Estádio José Alvalade, em Lisboa (38 688 espetadores)
Árbitro: Rui Oliveira (Porto)

Sporting: Salin; Ristovski, Coates, André Pinto, Jefferson (Jovane Cabral, 66); Battaglia, Marcos Acuña; Raphinha, Bruno Fernandes, Nani (Petrovic, 90); Fredy Montero (Castaignos, 79)

Feirense: Caio Secco; Edson Farias, Bruno Nascimento, Briseño, Vítor Bruno; Tiago Silva, Cris, Rafael Crivellaro (Alphonse Kodjo, 77); Fábio Sturgeon, Edinho (João Silva, 82), Luís Machado.

Cartão amarelo a Luís Machado (36), Rafael Crivellaro (48), Ristovski (61), Caio Secco (77), Bruno Nascimento (78), Bruno Fernandes (85), Vítor Bruno (86), Nani (86), Jovane Cabral (89) e Eduardo Farias (90+1).

Marcador: 1-0, Jovane, (88).

FILME DO JOGO