Alemanha a torcer por Portugal para ser cabeça de série no apuramento

Germânicos cairão para o pote 2 do sorteio da fase de qualificação do Euro 2020 se os polacos pontuarem esta terça-feira (19.45) em Guimarães diante de Portugal

Depois de um Mundial para esquecer e da despromoção à Liga B da Liga das Nações, a Alemanha despediu-se de 2018 com um empate caseiro diante da Holanda (2-2) depois de ter estado a vencer por 2-0 e estará esta terça-feira a torcer pela vitória de Portugal para não se aplicar a famosa Lei de Murphy: "Qualquer coisa que possa correr mal, vai correr mal e no pior momento possível."

Isto porque, para ser cabeça de série no sorteio da fase de qualificação do Euro 2020, que vai realizar-se no dia 2 em Dublin, os germânicos precisam que a Polónia não pontue esta terça-feira (19.45) no Estádio D. Afonso Henriques. Por outro lado, se os polacos pontuarem, serão eles a estar entre os cabeças de séries.

Além dos primeiros classificados de cada grupo da Liga A (Inglaterra, Holanda, Portugal e Suíça), também os segundos (Bélgica, França, Itália e Espanha) e os dois melhores segundos (Croácia e Alemanha ou Polónia) entram diretamente para o pote 1. Os alemães, que já realizaram os quatro jogos, somaram dois pontos e terminaram com uma diferença de golos de -4, enquanto os polacos têm um pontos, -2 em golos mas ainda um jogo por disputar.

Refira-se que, na fase de qualificação para o Euro 2020, serão distribuídas 55 seleções por 10 grupos. As duas primeiras de cada agrupamento apuram-se para a fase final, que será disputada em 12 cidades de países diferentes. Outras quatro serão apuradas tendo em conta o desempenho na Liga das Nações, por via de um playoff.

Situação atual dos potes

Pote 1: Inglaterra, Holanda, Portugal, Suíça, Bélgica, Croácia, França, Itália e Espanha;

Pote 1 ou 2: Alemanha ou Polónia;

Pote 2: Áustria, Bósnia, República Checa, Dinamarca, Islândia, Rússia, Suécia, Ucrânia e País de Gales;

Pote 3: Finlândia, Irlanda do Norte, Noruega, República da Irlanda, Sérvia, Eslováquia e Turquia;

Pote 3 ou 4: Bulgária, Hungria, Israel, Roménia e Escócia;

Pote 4: Albânia, Chipre, Estónia, Geórgia, Grécia, Lituânia, Montenegro e Eslovénia;

Pote 5: Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Gibraltar, Cazaquistão, Kosovo, Luxemburgo, Macedónia e Moldávia;

Pote 5 ou 6: Ilhas Faroé ou Malta;

Pote 6: Andorra, Letónia, Liechtenstein e São Marino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.