Alarcón dá uma estocada na Volta

Alarcón explodiu nos últimos metros, anulou a fuga heróica de David Marques e além da etapa, ainda ganhou uns segundos à concorrência

Na 40.ª vez que a Volta a Portugal (em 80 edições) terminou no alto da Senhora da Graça, David Rodrigues foi a figura, ao arrancar numa fuga de um grupo que deixou rapidamente para trás, seguindo a solo quase 70km até um punhado de metros da meta. Aí, irrompeu o poder de Raúl Alarcón, que perto da meta arrancou para a vitória na meta, isolado por segundos e colocando-se numa posição privilegiada para vencer a Volta a Portugal pela segunda vez, e consecutiva.

Entre os favoritos, já no Monte Farinha, o Sporting-Tavira provocou quanto pôde o W52-FC Porto. Primeiro atacou Alejandro Marque, depois seguiu-se-lhe Frederico Figueiredo, mas ambos foram rapidamente absorvidos pelo comboio azul e branco, que seguia com três elementos a proteger Alarcón. César Fonte assumiu as dores de comandar o grupo dos favoritos, que ia assimilando os membros que ainda restavam da fuga.

Todos, menos David Rodrigues, que ia vendo o tempo de avanço a cair (de pouco menos de três minutos para menos de um minuto a dois quilómetros da meta). Lá atrás, Vicente de Mateos (Aviludo-Louletano) tentava abanar com os favoritos, mas a máquina azul e branca não só sobrevivia, como impunha o ritmo com César Fontes a puxar Alarcón até ao último quilómetro.

Aí, Alarcón explodiu, ultrapassou David Rodrigues e ganhou isolado pelo segundo ano consecutivo, dando um passo decisivo na disussão da Volta a Portugal, ganhando alguns segundos para os principais adversários.

Antes, bem antes, mais de uma dezena de corredores armaram cedo uma fuga que chegou a ter mais de três minutos de avanço sobre o pelotão, onde o Sporting-Tavira e o W52-FC Porto se revezaram no encurtar de distâncias. Antes da primeira de três contagens de montanha de 1.ª categoria (Alto da Barra, Barreiro e Senhora da Graça, coincidente com o final), o grupo fragmentou-se.

Uma meia dúzia de ciclistas (Hugo Sancho, Vito-Feirense-Blackjack; Jesus del Pino, Efapel; Jon Irisarri, Caja Rural; Nathan Earle, Israel Cycling Academy; David De la Fuente, Aviludo-Louletano; Fernando Barcelo, Euskadi-Murias) ficou condenada a perseguir o homem do dia, David Rodrigues (RP-Boavista). Nenhum deles, no entanto, ameçava a classificação geral.

O ciclista da equipa orientada por José Santos, o mais antigo diretor desportivo do pelotão (desde 1986 no Boavista), passou isolado no Alto da Barra e no cimo do Barreiro. Atrás, no pelotão aonde seguiam os favoritos Raúl Alarcón (líder, W52-FC Porto), Joni Brandão (2.º, a 52s, do Sporting-Tavira) e Vicente de Mateos (3.º, a 1m41s, da Aviludo-Louletano), o FC Porto acelerava o andamento para criar um final feliz ao seu líder e vencedor da Volta 2017, Alarcón.

O espanhol da equipa dirigida por Nuno Ribeiro até teve um furo (sem consequências desportivas), mas pela cabeça ainda lhe deviam passar as recordações da vitória na Senhora da Graça o ano passado, enquanto Edgar Pinto (4.º na geral a 1m58s, da Vito-Feirense-Blackjack) tinha de puxar um pouco mais pelas memórias (ganhou no alto do Monte Farinha em 2014).

Este domingo, a Volta decide-se num contra-relógio de 17,3km, em Fafe, com muitas subidas e descidas (o percurso leva os ciclistas entre os 400 e os 200 metros de altitude).

Classificações

- Classificação da nona etapa:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 4:22.47 horas

(média 35,436 km/hora)

2. Edgar Pinto, Por (Vito-Feirense-Blackjack), a 05 segundos

3. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), a 07

4. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), a 09

5. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), a 19

6. David Rodrigues, Por (Rádio Popular-Boavista), a 31

7. João Benta, Por (Rádio Popular-Boavista), a 39

8. Luís Fernandes, Por (Aviludo-Louletano), a 41

9. Frederico Figueiredo, Por (Sporting-Tavira), m.t.

10. Ricardo Mestre, Por (W52-FC Porto), a 58

- Classificação geral, após a nona etapa:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 40:49.41 horas

2. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), a 1.01 minutos

3. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), a 1.48

4. Edgar Pinto, Por (Vito-Feirense-Blackjack), a 2.03

5. João Benta, Por (Rádio Popular-Boavista), a 2.58

6. Frederico Figueiredo, Por (Sporting-Tavira), a 3.01

7. Henrique Casimiro, Por (Efapel), a 5.36

8. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), 5.40

9. Luís Fernandes, Por (Aviludo-Louletano), a 5.57

10. Domingos Gonçalves, Por (Rádio Popular-Boavista), a 6.13

- Classificação geral por equipas:

1. Sporting-Tavira, Por, 122:40.19 horas

2. W52-FC Porto, Por, a 02 segundos

3. Rádio Popular-Boavista, Por, a 3.00 minutos

- Classificação da juventude:

1. Xuban Errazkin, Esp (Vito-Feirense-Blackjack).

2. Óscar Rodríguez, Esp (Euskadi-Murias).

3. André Carvalho, Por (Liberty Seguros-Carglass)

- Classificação por pontos:

1. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), 130 pontos

2. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 99

3. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), 81

- Classificação montanha:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 62 pontos

2. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), 58

3. David Rodrigues, Por (Rádio Popular-Boavista), 40

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).