Alarcón dá uma estocada na Volta

Alarcón explodiu nos últimos metros, anulou a fuga heróica de David Marques e além da etapa, ainda ganhou uns segundos à concorrência

Na 40.ª vez que a Volta a Portugal (em 80 edições) terminou no alto da Senhora da Graça, David Rodrigues foi a figura, ao arrancar numa fuga de um grupo que deixou rapidamente para trás, seguindo a solo quase 70km até um punhado de metros da meta. Aí, irrompeu o poder de Raúl Alarcón, que perto da meta arrancou para a vitória na meta, isolado por segundos e colocando-se numa posição privilegiada para vencer a Volta a Portugal pela segunda vez, e consecutiva.

Entre os favoritos, já no Monte Farinha, o Sporting-Tavira provocou quanto pôde o W52-FC Porto. Primeiro atacou Alejandro Marque, depois seguiu-se-lhe Frederico Figueiredo, mas ambos foram rapidamente absorvidos pelo comboio azul e branco, que seguia com três elementos a proteger Alarcón. César Fonte assumiu as dores de comandar o grupo dos favoritos, que ia assimilando os membros que ainda restavam da fuga.

Todos, menos David Rodrigues, que ia vendo o tempo de avanço a cair (de pouco menos de três minutos para menos de um minuto a dois quilómetros da meta). Lá atrás, Vicente de Mateos (Aviludo-Louletano) tentava abanar com os favoritos, mas a máquina azul e branca não só sobrevivia, como impunha o ritmo com César Fontes a puxar Alarcón até ao último quilómetro.

Aí, Alarcón explodiu, ultrapassou David Rodrigues e ganhou isolado pelo segundo ano consecutivo, dando um passo decisivo na disussão da Volta a Portugal, ganhando alguns segundos para os principais adversários.

Antes, bem antes, mais de uma dezena de corredores armaram cedo uma fuga que chegou a ter mais de três minutos de avanço sobre o pelotão, onde o Sporting-Tavira e o W52-FC Porto se revezaram no encurtar de distâncias. Antes da primeira de três contagens de montanha de 1.ª categoria (Alto da Barra, Barreiro e Senhora da Graça, coincidente com o final), o grupo fragmentou-se.

Uma meia dúzia de ciclistas (Hugo Sancho, Vito-Feirense-Blackjack; Jesus del Pino, Efapel; Jon Irisarri, Caja Rural; Nathan Earle, Israel Cycling Academy; David De la Fuente, Aviludo-Louletano; Fernando Barcelo, Euskadi-Murias) ficou condenada a perseguir o homem do dia, David Rodrigues (RP-Boavista). Nenhum deles, no entanto, ameçava a classificação geral.

O ciclista da equipa orientada por José Santos, o mais antigo diretor desportivo do pelotão (desde 1986 no Boavista), passou isolado no Alto da Barra e no cimo do Barreiro. Atrás, no pelotão aonde seguiam os favoritos Raúl Alarcón (líder, W52-FC Porto), Joni Brandão (2.º, a 52s, do Sporting-Tavira) e Vicente de Mateos (3.º, a 1m41s, da Aviludo-Louletano), o FC Porto acelerava o andamento para criar um final feliz ao seu líder e vencedor da Volta 2017, Alarcón.

O espanhol da equipa dirigida por Nuno Ribeiro até teve um furo (sem consequências desportivas), mas pela cabeça ainda lhe deviam passar as recordações da vitória na Senhora da Graça o ano passado, enquanto Edgar Pinto (4.º na geral a 1m58s, da Vito-Feirense-Blackjack) tinha de puxar um pouco mais pelas memórias (ganhou no alto do Monte Farinha em 2014).

Este domingo, a Volta decide-se num contra-relógio de 17,3km, em Fafe, com muitas subidas e descidas (o percurso leva os ciclistas entre os 400 e os 200 metros de altitude).

Classificações

- Classificação da nona etapa:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 4:22.47 horas

(média 35,436 km/hora)

2. Edgar Pinto, Por (Vito-Feirense-Blackjack), a 05 segundos

3. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), a 07

4. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), a 09

5. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), a 19

6. David Rodrigues, Por (Rádio Popular-Boavista), a 31

7. João Benta, Por (Rádio Popular-Boavista), a 39

8. Luís Fernandes, Por (Aviludo-Louletano), a 41

9. Frederico Figueiredo, Por (Sporting-Tavira), m.t.

10. Ricardo Mestre, Por (W52-FC Porto), a 58

- Classificação geral, após a nona etapa:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 40:49.41 horas

2. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), a 1.01 minutos

3. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), a 1.48

4. Edgar Pinto, Por (Vito-Feirense-Blackjack), a 2.03

5. João Benta, Por (Rádio Popular-Boavista), a 2.58

6. Frederico Figueiredo, Por (Sporting-Tavira), a 3.01

7. Henrique Casimiro, Por (Efapel), a 5.36

8. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), 5.40

9. Luís Fernandes, Por (Aviludo-Louletano), a 5.57

10. Domingos Gonçalves, Por (Rádio Popular-Boavista), a 6.13

- Classificação geral por equipas:

1. Sporting-Tavira, Por, 122:40.19 horas

2. W52-FC Porto, Por, a 02 segundos

3. Rádio Popular-Boavista, Por, a 3.00 minutos

- Classificação da juventude:

1. Xuban Errazkin, Esp (Vito-Feirense-Blackjack).

2. Óscar Rodríguez, Esp (Euskadi-Murias).

3. André Carvalho, Por (Liberty Seguros-Carglass)

- Classificação por pontos:

1. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), 130 pontos

2. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 99

3. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), 81

- Classificação montanha:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 62 pontos

2. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), 58

3. David Rodrigues, Por (Rádio Popular-Boavista), 40

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.