Alaphilippe reforça liderança no triunfo de Pinot

No domingo, o pelotão da 104.ª edição da Grande Boucle vai enfrentar os 185 quilómetros da 15.ª etapa, entre Limoux e Foix.

Em dia de visita de Emmanuel Macron ao Tour, uma vitória de um francês e a amarela para um francês. Julian Alaphilippe (Deceuninck-Quick Step) reforçou este sábado a liderança da Volta a França em bicicleta, ao terminar no segundo lugar a 14.ª etapa, que terminou no Tourmalet, onde venceu o seu compatriota Thibaut Pinot (Groupama-FDJ).

Pinot assegurou o seu terceiro triunfo em etapas do Tour, ao concluir os 111 quilómetros desde Tarbes, em 3:20.20 horas, menos seis segundos do que Alaphilippe e do que o holandês Steven Kruijswijk (Jumbo-Visma), segundo e terceiro classificados, respetivamente.

Com o segundo lugar na etapa, que culminava com um prémio de montanha de categoria especial, após 19 quilómetros de subida, Alaphilippe, um dia depois de vencer o contrarrelógio individual, voltou a cimentar o seu primeiro lugar, aumentando para 2.02 minutos a vantagem sobre o britânico Geraint Thomas (INEOS), vencedor da prova em 2018, que hoje não foi além do oitavo lugar, a 36 segundos de Pinot.

No domingo, o pelotão da 104.ª edição da Grande Boucle vai enfrentar os 185 quilómetros da 15.ª etapa, entre Limoux e Foix, numa ligação com quatro contagens de montanha, uma de segunda e três de terceira, a última das quais na chegada.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.