Liga, sindicato, árbitros e treinadores discutiram violência no futebol português

Os diversos agentes do futebol identificaram e analisaram esta terça-feira, em reunião e debate realizados na sede do Sindicato dos Jogadores, em Lisboa, alguns dos principais motivos que alimentam a violência no desporto e no futebol, em particular.

O encontro juntou à mesma mesa um painel formado por Pedro Proença, presidente da Liga portuguesa, Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato dos Jogadores, Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa dos Árbitros de Futebol (APAF), e José Pereira, líder da Associação de Treinadores.

"Quanto a mim, este exacerbar e aumento da linguagem e da violência no futebol prende-se com um fator essencial e que tem a ver com uma tendência muito latina de enfatizar os aspetos negativos, bem mais do que os positivos", constatou o presidente da Liga de clubes.

Proença observou que o permanente aumento do ruído mediático em torno do futebol tem contribuído decisivamente para que as polémicas se instalem e "influenciem decisivamente o comportamento das pessoas".

Um clima negativo que se tem acentuado nos últimos anos e que já levou o próprio Governo a criar "uma agência própria que possa analisar com maior rapidez os diversos conflitos que vão surgindo durante a época desportiva", focou Joaquim Evangelista.

Para o líder do sindicato, a alteração da regulamentação, através do aumento das sanções pecuniárias e disciplinares, tem sido insuficiente para debelar e controlar a violência crescente no diálogo futebolístico.

"Esta questão também tem muito a ver com a grande mediatização existente no futebol português, com as primeiras páginas dos jornais, o impacto gerado pelas programas televisivos, alguns dos quais apenas se limitam a fomentar polémicas devido às audiências televisivas", adiantou Joaquim Evangelista.

Luciano Gonçalves tem a consciência de que as constantes polémicas" também afetam o trabalho dos árbitros dentro do relvado, pois não conseguem ficar imunes à violência verbal que muitas vezes se ouve nas bancadas", referiu o presidente da APAF.

Entretanto, em comunicado elaborado sobre o tema da violência no futebol, o Sindicato dos Jogadores, através de Joaquim Evangelista, disse estar "ciente de que existem múltiplos problemas estruturais a que é difícil dar resposta e que não depende apenas dos parceiros sociais a sua resolução".

À margem desta questão, Evangelista revelou que têm diminuído as situações de incumprimento salarial nos clubes que integram os campeonatos profissionais. "É um problema residual", constatou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.