Liga, sindicato, árbitros e treinadores discutiram violência no futebol português

Os diversos agentes do futebol identificaram e analisaram esta terça-feira, em reunião e debate realizados na sede do Sindicato dos Jogadores, em Lisboa, alguns dos principais motivos que alimentam a violência no desporto e no futebol, em particular.

O encontro juntou à mesma mesa um painel formado por Pedro Proença, presidente da Liga portuguesa, Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato dos Jogadores, Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa dos Árbitros de Futebol (APAF), e José Pereira, líder da Associação de Treinadores.

"Quanto a mim, este exacerbar e aumento da linguagem e da violência no futebol prende-se com um fator essencial e que tem a ver com uma tendência muito latina de enfatizar os aspetos negativos, bem mais do que os positivos", constatou o presidente da Liga de clubes.

Proença observou que o permanente aumento do ruído mediático em torno do futebol tem contribuído decisivamente para que as polémicas se instalem e "influenciem decisivamente o comportamento das pessoas".

Um clima negativo que se tem acentuado nos últimos anos e que já levou o próprio Governo a criar "uma agência própria que possa analisar com maior rapidez os diversos conflitos que vão surgindo durante a época desportiva", focou Joaquim Evangelista.

Para o líder do sindicato, a alteração da regulamentação, através do aumento das sanções pecuniárias e disciplinares, tem sido insuficiente para debelar e controlar a violência crescente no diálogo futebolístico.

"Esta questão também tem muito a ver com a grande mediatização existente no futebol português, com as primeiras páginas dos jornais, o impacto gerado pelas programas televisivos, alguns dos quais apenas se limitam a fomentar polémicas devido às audiências televisivas", adiantou Joaquim Evangelista.

Luciano Gonçalves tem a consciência de que as constantes polémicas" também afetam o trabalho dos árbitros dentro do relvado, pois não conseguem ficar imunes à violência verbal que muitas vezes se ouve nas bancadas", referiu o presidente da APAF.

Entretanto, em comunicado elaborado sobre o tema da violência no futebol, o Sindicato dos Jogadores, através de Joaquim Evangelista, disse estar "ciente de que existem múltiplos problemas estruturais a que é difícil dar resposta e que não depende apenas dos parceiros sociais a sua resolução".

À margem desta questão, Evangelista revelou que têm diminuído as situações de incumprimento salarial nos clubes que integram os campeonatos profissionais. "É um problema residual", constatou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.