Advogado de Bruno de Carvalho diz que este é o presidente em exercício

José Preto diz que se vedado o acesso às instalações, Bruno de Carvalho pode exercer noutro lugar

O advogado de Bruno de Carvalho afirmou esta sexta-feira que este é o presidente do Sporting em exercício, em função de uma deliberação judicial que suspende provisoriamente a decisão de revogação do mandado determinada em Assembleia Geral (AG).

"Bruno de Carvalho não tem de tomar posse, é o presidente em exercício e procedeu a alguns despachos nessa qualidade. Se lhe impedem o acesso às instalações, pode exercer noutro lugar", afirmou José Preto à saída do Estádio José Alvalade, em Lisboa, onde esteve durante cerca de três horas a acompanhar Bruno de Carvalho.

Bruno de Carvalho interpôs uma providência cautelar no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa em que pediu a suspensão da decisão da AG de 23 de junho, alegando uma série de irregularidades, e nesta sexta-feira apresentou-se em Alvalade com o despacho do juiz que suspende para já a destituição.

"Até à decisão de primeira instância não é lícito a parte contrária executar a deliberação atacada", afirmou José Preto, alegando que os dirigentes do Sporting já têm o documento desde 01 de agosto, véspera do dia em que Bruno de Carvalho foi suspenso de sócio pela Comissão de Fiscalização, criada na sequência da demissão da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar.

José Preto esclareceu que o documento "é a tramitação da providência cautelar que suspende os efeitos da deliberação atacada até a decisão do magistrado", sublinhando que "a suspensão precária termina com a decisão de primeira instância, porque o magistrado decide suspender definitivamente ou decide não suspender".

Bruno de Carvalho e José Preto estiveram reunidos com o departamento jurídico do Sporting, afirmando o advogado que os dirigentes citados no despacho do juiz não quiseram recebê-los.

Eleito presidente do clube em março de 2013 e reconduzido em 2017, Bruno de Carvalho foi destituído do cargo na reunião magna de junho, com 71,36% dos votos, e posteriormente suspenso de sócio pela Comissão de Fiscalização, criada na sequência da demissão da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar.

Na sequência da decisão, foram convocadas eleições para os órgãos sociais do clube, para 8 de setembro, e Bruno de Carvalho viu a sua candidatura rejeitada pela Mesa da Assembleia Geral, com base no facto de o ex-presidente estar suspenso.

João Benedito, José Maria Ricciardi, Pedro Madeira Rodrigues, Frederico Varandas, Rui Jorge Rego, Dias Ferreira e Fernando Tavares Pereira são os candidatos cujas listas foram validadas.

Os destinos do Sporting têm estado a cargo de uma comissão de gestão liderada por Artur Torres Pereira, nomeada pela Mesa da Assembleia Geral presidida por Jaime Marta Soares, enquanto José Sousa Cintra, antigo presidente, foi designado para administrador da sociedade que gere o futebol profissional (SAD).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.