Adversário do Benfica na Champions tem dívida de 621 milhões de euros

Novo presidente do Fenerbahçe, Ali Koç, revelou dívida total do clube turco. Antiga direção apontava a 400 milhões de euros

O recém-eleito presidente do Fenerbahçe, Ali Koç, revelou que a dívida total do clube turco, adversário do Benfica na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, é de 621 milhões de euros.

Ali Koç, milionário turco foi eleito a 3 de junho depois de derrotar Aziz Yildirim, que liderava o emblema de Istambul há 20 anos, cifrou a dívida da secção de basquetebol em cerca de 8,5 milhões de euros e reconheceu que houve salários em atrasos no plantel masculino da modalidade, atual vice-campeão da Euroliga e uma das das equipas com orçamento mais alto da prova, a par do CSKA Moscovo, Real Madrid e Barcelona.

"Prometemos a Zeljko Obradovic [treinador] que os pagamentos seriam feitos a tempo, mas não o conseguimos e sinto-me envergonhado diante dele", assegurou o novo líder do clube à Fenerbahçe TV, em declarações recolhidas pela Eurohoops e reproduzidas pelo As. Esta confissão surge depois de o Grupo Dogus, a viver dificuldades económicos e rival comercial das empresas do recém-eleito presidente, deixar esta temporada de ser o patrocinador da equipa de basquetebol, ou seja, de injetar 15 milhões de euros anuais.

Koç explicou ao canal televisivo do clube que a dívida total do clube é maior do que havia dito a antiga direção, que apontava a 400 milhões de euros. No entanto, o valor é de 621 M e poderá ascender a mais de 700 M durante a próxima temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.