Adversário do Benfica na Champions tem dívida de 621 milhões de euros

Novo presidente do Fenerbahçe, Ali Koç, revelou dívida total do clube turco. Antiga direção apontava a 400 milhões de euros

O recém-eleito presidente do Fenerbahçe, Ali Koç, revelou que a dívida total do clube turco, adversário do Benfica na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, é de 621 milhões de euros.

Ali Koç, milionário turco foi eleito a 3 de junho depois de derrotar Aziz Yildirim, que liderava o emblema de Istambul há 20 anos, cifrou a dívida da secção de basquetebol em cerca de 8,5 milhões de euros e reconheceu que houve salários em atrasos no plantel masculino da modalidade, atual vice-campeão da Euroliga e uma das das equipas com orçamento mais alto da prova, a par do CSKA Moscovo, Real Madrid e Barcelona.

"Prometemos a Zeljko Obradovic [treinador] que os pagamentos seriam feitos a tempo, mas não o conseguimos e sinto-me envergonhado diante dele", assegurou o novo líder do clube à Fenerbahçe TV, em declarações recolhidas pela Eurohoops e reproduzidas pelo As. Esta confissão surge depois de o Grupo Dogus, a viver dificuldades económicos e rival comercial das empresas do recém-eleito presidente, deixar esta temporada de ser o patrocinador da equipa de basquetebol, ou seja, de injetar 15 milhões de euros anuais.

Koç explicou ao canal televisivo do clube que a dívida total do clube é maior do que havia dito a antiga direção, que apontava a 400 milhões de euros. No entanto, o valor é de 621 M e poderá ascender a mais de 700 M durante a próxima temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.