Adversário do Benfica na Champions tem dívida de 621 milhões de euros

Novo presidente do Fenerbahçe, Ali Koç, revelou dívida total do clube turco. Antiga direção apontava a 400 milhões de euros

O recém-eleito presidente do Fenerbahçe, Ali Koç, revelou que a dívida total do clube turco, adversário do Benfica na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, é de 621 milhões de euros.

Ali Koç, milionário turco foi eleito a 3 de junho depois de derrotar Aziz Yildirim, que liderava o emblema de Istambul há 20 anos, cifrou a dívida da secção de basquetebol em cerca de 8,5 milhões de euros e reconheceu que houve salários em atrasos no plantel masculino da modalidade, atual vice-campeão da Euroliga e uma das das equipas com orçamento mais alto da prova, a par do CSKA Moscovo, Real Madrid e Barcelona.

"Prometemos a Zeljko Obradovic [treinador] que os pagamentos seriam feitos a tempo, mas não o conseguimos e sinto-me envergonhado diante dele", assegurou o novo líder do clube à Fenerbahçe TV, em declarações recolhidas pela Eurohoops e reproduzidas pelo As. Esta confissão surge depois de o Grupo Dogus, a viver dificuldades económicos e rival comercial das empresas do recém-eleito presidente, deixar esta temporada de ser o patrocinador da equipa de basquetebol, ou seja, de injetar 15 milhões de euros anuais.

Koç explicou ao canal televisivo do clube que a dívida total do clube é maior do que havia dito a antiga direção, que apontava a 400 milhões de euros. No entanto, o valor é de 621 M e poderá ascender a mais de 700 M durante a próxima temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.