Aboubakar: "Passei por momentos muito difíceis. Desde fevereiro que não marcava"

O avançado camaronês, autor de dois golos na vitória do FC Porto sobre o Desportivo de Chaves (5-0), na 1.ª jornada da I Liga, revelou-se muito satisfeito por acabar com um prolongado jejum.

O camaronês, que foi eleito o melhor em campo do jogo deste sábado, marcou pela última vez há seis meses, e confessou, em declarações ao site dos dragões, que os golos foram importantes para deixar para trás "momentos difíceis".

"Passei por momentos muito difíceis, pois desde fevereiro que não marcava um golo. Fiz os dois primeiros golos da nossa vitória e só quero dizer obrigado ao meu treinador e aos meus companheiros, pois estiveram sempre comigo em todos os momentos. Os meus golos foram importantes para mim, mas também para o grupo. Esta época quero dar muitas alegrias aos adeptos do FC Porto, mas o que importa é o coletivo. Temos de trabalhar forte para fazermos uma época ainda melhor do que a anterior", afirmou o avançado.

Aboubakar aproveitou ainda para agradecer o apoio dos adeptos presentes no estádio na ronda inaugural da I Liga e que encheu por completo o Estádio do Dragão para assistir à estreia do campeão nacional.

"O apoio dos nossos adeptos é sempre importante para conseguirmos ganhar. Para mim os adeptos são muito importantes, por isso quero retribuir o apoio que nos dão com golos e alegrias. Espero marcar muitos golos esta época", completou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.