Abel: "Caiu para a equipa que foi mais feliz"

Treinador bracarense comentou a derrota deste sábado do Sp. Braga ante o FC Porto (0-1), no Estádio do Dragão, em partida da 10.ª jornada da I Liga

Abel Ferreira congratulou o FC Porto, que considera ter sido "não a melhor equipa, mas a mais eficaz", mas disse que o Sp. Braga não merecia sair do Dragão sem pontos.

Sai Orgulhoso? "Sim, saio, porque não especulámos com o jogo, dissemos ao que viemos. Tenho de dar os parabéns ao FC Porto, não a melhor equipa, mas a mais eficaz. Sinto-me orgulhoso do que fizemos. Não podemos perder a identidade, a forma de jogar e a personalidade. Infelizmente, uma das características desta equipa é fazer golos e hoje não conseguimos. O futebol é isto: eficácia."

Irregularidade no golo do FC Porto? "Não quero valorizar. Tenho de dar os parabéns ao FC Porto, que fez um golo e nós não. Caiu para a equipa que foi mais feliz. Não é normal o FC Porto conceder tantas oportunidades em sua casa. Tivemos audácia, coerência e inteligência."

Sp. Braga sai mais forte? "Não. Quando se perde não se sai mais forte, mas saímos orgulhosos. FC Porto tem virilidade muito grande e sabíamos que se quebrássemos aqueles primeiros 20 minutos iríamos ter oportunidades. E assim foi, mas fomos incapazes de marcar. Não especulamos. Viemos para ganhar o jogo. Mais do que as palavras, é o que fazemos dentro de campo. Esta equipa não merecia sair daqui sem nenhum ponto."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.