Abel: "Caiu para a equipa que foi mais feliz"

Treinador bracarense comentou a derrota deste sábado do Sp. Braga ante o FC Porto (0-1), no Estádio do Dragão, em partida da 10.ª jornada da I Liga

Abel Ferreira congratulou o FC Porto, que considera ter sido "não a melhor equipa, mas a mais eficaz", mas disse que o Sp. Braga não merecia sair do Dragão sem pontos.

Sai Orgulhoso? "Sim, saio, porque não especulámos com o jogo, dissemos ao que viemos. Tenho de dar os parabéns ao FC Porto, não a melhor equipa, mas a mais eficaz. Sinto-me orgulhoso do que fizemos. Não podemos perder a identidade, a forma de jogar e a personalidade. Infelizmente, uma das características desta equipa é fazer golos e hoje não conseguimos. O futebol é isto: eficácia."

Irregularidade no golo do FC Porto? "Não quero valorizar. Tenho de dar os parabéns ao FC Porto, que fez um golo e nós não. Caiu para a equipa que foi mais feliz. Não é normal o FC Porto conceder tantas oportunidades em sua casa. Tivemos audácia, coerência e inteligência."

Sp. Braga sai mais forte? "Não. Quando se perde não se sai mais forte, mas saímos orgulhosos. FC Porto tem virilidade muito grande e sabíamos que se quebrássemos aqueles primeiros 20 minutos iríamos ter oportunidades. E assim foi, mas fomos incapazes de marcar. Não especulamos. Viemos para ganhar o jogo. Mais do que as palavras, é o que fazemos dentro de campo. Esta equipa não merecia sair daqui sem nenhum ponto."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.