A mãe sacrificada num ritual e outras revelações chocantes de N'Zigou

Futebolista gabonês revelou que mentiu sobre a idade e que teve relações sexuais com familiares quando era novo

Shiva N'Zigou era até agora recordado apenas como um ex-promissor futebolista gabonês que inscreveu o seu nome nos livros de recordes ao tornar-se o mais novo de sempre a jogar e a marcar um golo na Taça das Nações Africanas, em 2000, quando desfeiteou o guarda-redes da África do Sul com apenas 16 anos.

Contudo, a idade era apenas um dos segredos que o antigo jogador do Nantes e do Stade de Reims manteve bem guardados até há poucos dias. E o menos chocante. Agora devoto da Igreja Evangélica, N'Zigou surpreendeu com uma série de revelações macabras sobre a sua vida, durante uma sessão de confissão religiosa.

Além de confessar que tem afinal mais cinco anos de idade - 39, agora - Nzigou revelou que a sua mãe foi morta pelo pai num ritual de sacrifício em prol da sua carreira de futebolista e partilhou ainda que manteve relações incestuosas com uma irmã e com uma tia.

"A minha mãe está morta porque foi sacrificada. Assinei muitos contratos, trouxe muito dinheiro para casa e o meu pai queria o dinheiro todo. Disse-me que ia matar a minha mãe, porque achava que o espírito dela podia ajudar a minha carreira a evoluir. Eu recusei, mas ele fê-lo na mesma", contou, numa sessão que foi gravada e acabou partilhada nas redes sociais.

N'Zigou, que após a adesão à Igreja Evangélica mudou o nome para Isaías, contou então também que na adolescência teve relações incestuosas. "Quando era mais novo, mantive relações sexuais com a minha tia e com a minha irmã. Também dormi com um amigo meu e mantive um relacionamento de longo prazo com outro homem".

Internacional 24 vezes pelo Gabão, N'Zigou chegou a França em 1999 para jogar no Nantes e foi aí que mentiu na idade, segundo o próprio. Terminou a carreira em 2015, no modesto Saint-Nazaire, das divisões inferiores francesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).