A confissão de Pogba: "Contra Portugal pensávamos que estava ganho"

Médio francês admite que a França entrou com confiança a mais diante de Portugal na final do Euro 2016. E garante que os gauleses vão jogar com mais cautelas na final de domingo com a Croácia

Paul Pogba, uma das referências da atual seleção francesa que domingo vai jogar a final do Mundial 2018 diante da Croácia, confessou esta quinta-feira que no jogo decisivo do Euro 2016 a sua seleção entrou com demasiada confiança no desafio contra Portugal e que isso pode ter custado o título europeu aos gauleses.

"No Campeonato da Europa de 2016 contra Portugal pensávamos que já estava ganho. Não vou mentir: depois de vencermos a Alemanha, pensámos que íamos ganhar a final, depois de vermos o percurso de Portugal. A mentalidade na altura era diferente da atual. Agora estamos mais focados, queremos dar tudo e ganhar", disse o médio que joga no Manchester United de José Mourinho.

Na conferência de imprensa desta quinta-feira, o médio francês garantiu que a postura da França na final de domingo frente à Croácia vai ser totalmente diferente. "Não vamos encarar esta final como fizemos em 2016. Conheço o sabor da derrota e posso dizer-vos que é muito amargo. Chegámos demasiado longe para deixar escapar agora o título. Lembro-me bem das férias que tive depois da derrota contra Portugal em 2016. Garanto-vos que não foram boas. Não quero reviver isso. Quero regressar com um sorriso na face e fazer com que a França fique contagiada por ele", prometeu Paul Pogba.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.