A confissão de Pogba: "Contra Portugal pensávamos que estava ganho"

Médio francês admite que a França entrou com confiança a mais diante de Portugal na final do Euro 2016. E garante que os gauleses vão jogar com mais cautelas na final de domingo com a Croácia

Paul Pogba, uma das referências da atual seleção francesa que domingo vai jogar a final do Mundial 2018 diante da Croácia, confessou esta quinta-feira que no jogo decisivo do Euro 2016 a sua seleção entrou com demasiada confiança no desafio contra Portugal e que isso pode ter custado o título europeu aos gauleses.

"No Campeonato da Europa de 2016 contra Portugal pensávamos que já estava ganho. Não vou mentir: depois de vencermos a Alemanha, pensámos que íamos ganhar a final, depois de vermos o percurso de Portugal. A mentalidade na altura era diferente da atual. Agora estamos mais focados, queremos dar tudo e ganhar", disse o médio que joga no Manchester United de José Mourinho.

Na conferência de imprensa desta quinta-feira, o médio francês garantiu que a postura da França na final de domingo frente à Croácia vai ser totalmente diferente. "Não vamos encarar esta final como fizemos em 2016. Conheço o sabor da derrota e posso dizer-vos que é muito amargo. Chegámos demasiado longe para deixar escapar agora o título. Lembro-me bem das férias que tive depois da derrota contra Portugal em 2016. Garanto-vos que não foram boas. Não quero reviver isso. Quero regressar com um sorriso na face e fazer com que a França fique contagiada por ele", prometeu Paul Pogba.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...