A 14.ª nomeação para Marta, a rainha do futebol feminino

Brasileira é detentora de cinco troféus e 14 nomeações. Anúncio da grande vencedora ocorre a 24 de setembro. Lieke Martens, que conquistou o título de melhor do mundo em 2017, ficou de fora das candidatas este ano.

E vão 14 nomeações para Marta! A FIFA divulgou esta terça-feira as 10 finalistas ao prémio de melhor jogadora do mundo e, naturalmente, a brasileira, vencedora do troféu por cinco vezes e considerada a melhor jogadora de sempre, faz parte da lista. Lieke Martens, que ganhou em 2017, não aparece entre as eleitas este ano.

Lucy Bronze (Lyon e seleção inglesa), Pernille Harder (Wolfsburg e seleção dinamarquesa), Ada Hegerberg (Lyon e seleção norueguesa), Amandine Henry (Lyon e seleção francesa), Sam Kerr (seleção australiana e Sky Blue), Saki Kumagai (Lyon e seleção japonesa), Dzsenifer Marozsan (seleção alemã e Lyon), Marta (Brasil e Orlando Pride), Megan Rapinoe (Estados Unidos e Seattle Reign) e Wendie Renard (seleção francesa e Lyon) são as escolhidas.

Da lista salta à vista a presença de seis atletas do Lyon, clube francês que em maio garantiu o quinto título da Champions. Marozsan, a alemã sofreu uma embolia pulmonar e está temporariamente fora dos relvados e sem previsão para voltar está entre as nomeadas.

Definidas as finalistas, serão agora abertas as votações para definir quem é a melhor jogadora do mundo. A gala The Best está marcada para 24 de setembro. O período de análise de desempenho foi de 7 de agosto de 2017 a 24 de maio de 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.