43 minutos de silêncio: a homenagem dos adeptos do Génova às vítimas da ponte

Iniciativa incluiu um minuto por cada uma das vítimas

O jogo entre o Génova e o Empoli do último domingo ficou marcado por uma homenagem dos adeptos genoveses às 43 vítimas da queda da ponte Morandi do passado dia 14 de agosto. Depois de um minuto de silêncio que antecedeu a partida, seguiram-se mais 43 minutos com toda a gente calada, um por cada uma das vítimas.

A iniciativa foi respeitada por todo o estádio Luigi Ferraris, com o locutor a anunciar as formações em voz baixa, enquanto o capitão do Génova, Mimmo Criscito, que passou na ponte minutos antes do colapso, deu a mão a Caesar, filho de Andrea Cerulli, umadepto do clube que morreu na tragédia. Os jogadores genoveses entraram em campo com um equipamento especial, sem patrocínio.

Durante o encontro, que terminou com a vitória do Génova frente ao Empoli por 2-1, os adeptos seguraram cartazes com inscrições alusivas à tragédia.

Aos 43 minutos os adeptos do Génova entoaram em coro "Génova, Génova", enquanto aplaudiam os nomes das vítimas divulgados nos ecrãs do estádio.

A homenagem não afetou o normal decorrer do jogo. Aos seis minutos, o jogador polaco Krzysztof Piątek fez o 1-0 para o Génova. Aos 18 minutos Christian Kouamé marcou o 2-0 para os genoveses. Na segunda parte o Empoli mostrou-se mais agressivo e, apesar dos esforços do Génova, nada impediu o golo de Samuel Mráz, já em período de descontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.