14.ª tenista do mundo defende árbitro português e arrasa Serena Williams

A checa Barbora Strycova considera Carlos Ramos "um dos melhores do mundo" e acusa a norte-americana de ter passado "todos os limites"

A checa Barbora Strycova, de 32 anos, é a 14.ª melhor tenista do ranking feminino (WTA) e não poupa nas palavras quando é para falar do incidente protagonizado pela norte-americana Serena Williams com o árbitro português Carlos Ramos, na final do Open dos Estados Unidos.

Em declarações ao jornal online checo Sport CZ, a tenista começa por elogiar o juiz português, considerando-o "duro", mas "um dos melhores árbitros do mundo" e, como tal, "limitou-se a seguir as regras e fez o que tinha a fazer". "Não tenho nada a dizer dele e neste caso tenho de o defender", sublinhou.

E nesse sentido não poupou Serena Williams. "Ela ultrapassou todos os limites. Será que o árbitro devia ter agido de forma diferente só por se tratar de Serena? Acho curioso também que ela só tenha agido daquela maneira quando estava a perder", atirou.

Questionada o facto se ter dito que Carlos Ramos teve uma atitude discriminatória sobre as mulheres, Strycova não se conteve e disse tratar-se de "uma treta", pois garante que "os juízes não levam em consideração se estão homens ou mulheres no court".

Aliás, a tenista checa refuta também qualquer comparação entre o comportamento de Serena Williams e aqueles que são protagonizados pelo espanhol Rafael Nadal. "Não tem comparação possível! A Serena gritou com o árbitro", justificou, assumindo que ficou "surpreendida" por Steve Simon, diretor-geral do WTA ter acusado Carlos Ramos por ter um nível de tolerância diferente consoante se trate de homens ou mulheres: "Não sei porque disse isso... Será que no próximo jogo de Serena vão mudar as regras? Ela é uma jogadora incrível, mas não gosto dessa forma de reagir quando está a perder, estragando o momento a Naomi Osaka, uma miúda de 20 anos, que na verdade é um bebé, que em vez de celebrar a vitória, baixou a cabeça."

Barbora Strycova considera normal existirem discordâncias com os árbitros, mas critica a "falta de camaradagem" no circuito mundial e não esconde que ficou "indignada ao ver uma tenista a gritar para o juiz dizendo que ele era um ladrão", uma atitude que a leva a dizer que "foram ultrapassados todos os limites".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.