122 golos depois, Jonas está perto de dizer adeus ao Benfica

Goleador terá acertado a saída numa reunião esta sexta-feira com Luís Filipe Vieira. Destino será a Arábia Saudita

Jonas, 34 anos, desde a temporada 2014/15 no Benfica, está perto de dizer adeus ao clube da Luz. A edição online do jornal O Jogo desta sexta-feira revela que o brasileiro recebeu uma proposta milionária de um clube da Arábia Saudita (provavelmente do Al Nassr), e já terá acertado a sua saída numa reunião com o presidente Luís Filipe Vieira ocorrida na manhã desta sexta-feira.

O atacante brasileiro foi nos últimos anos o maior goleador do clube da Luz. No total, contabilizando todos os jogos oficiais, foram 122 golos marcados em 152 partidas disputadas de águia ao peito. Logo na primeira temporada, quando chegou a custo zero do Valência, marcou 31 golos. Em 2015/16 apontou 36 em 48 jogos; em 2016/17 esteve grande parte da época lesionado, mas mesmo assinou 18 em 28 jogos. A última temporada foi a sua melhor de sempre: 37 golos em 41 partidas.

Há cerca de dois meses, numa entrevista à BTV, o avançado brasileiro tinha admitido que gostava de terminar a carreira no Benfica. Mas ao que tudo indica, o futuro passa mesmo pela Arábia Saudita, onde Jonas, aos 34 anos, pode fazer o contrato da sua vida, curiosamente com o clube Rival do Al Hilal, que é treinado por Jorge Jesus, técnico português que reconheceu recentemente que gostava de contar com o goleador brasileiro.

A SAD do Benfica contratou esta temporada dois avançados: Ferreyra e Castillo. O mexicano Raúl Jiménez saiu por empréstimo para o Wolverhampton, mas no plantel continua o atacante Seferovic. A concretizar-se a saída de Jonas, contudo, o Benfica pode ainda ir ao mercado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".