1.º de Agosto qualifica-se para os quartos de final da Liga dos Campeões

O emblema angolano qualificou-se esta terça-feira para os quartos de final da Liga dos Campeões africanos, após vencer em casa o Mbabane Swalows, de Eswatini, por 2-1, na sexta e última jornada do Grupo D.

O bicampeão angolano assegurou o segundo lugar do Grupo D, com nove pontos, atrás do já apurado Étoile do Sahel (12), que esta terça-feira, em Lusaca, empatou 1-1 com a equipa zambiana do Zesco United, que manteve o terceiro posto, com seis pontos, à frente da equipa da antiga Suazilândia, que terminou com quatro.

No Estádio 11 de novembro, em Luanda, e perante cerca de 18.000 espetadores (o campo tem capacidade para 50.000), os militares chegaram ao intervalo a vencer por 2-0, com golos de Jacques, aos 35 minutos, e de Geraldo, três minutos depois, resultado que o Mbabane Swallows ainda conseguiu pôr em causa, aos 58 minutos da segunda parte, quando Aladeoku reduziu para 2-1.

Com o apuramento para os quartos de final, o 1.º de agosto encaixa 600 mil dólares (cerca de 520 mil euros).

Para os quartos de final da Champions, além do Étoile du Sahel e do 1.º de Agosto, estão já apurados o Al Ahly (Egito) e o Esperance Tunis (Tunísia), do Grupo A, Mazembe (República Democrática do Congo) e Setif (Argélia), do Grupo B

No Grupo C, com o Wydad (Marrocos) já virtualmente apurado, jogando esta terça-feira no terreno do Togo Port (Togo), falta conhecer a última vaga, que será disputada a partir das 17.00 (horas em Lisboa) na África do Sul, com o Mamelodi Sundowns, terceiro com cinco pontos, a receber o Horoya, da Guiné-Conacri, segundo com oito.

No Girabola, o bicampeão angolano de futebol, com 54 pontos, pode chegar ao tricampeonato no domingo se vencer, na última jornada da prova, na receção ao Cuando Cubango FC, tendo como principal rival o Petro de Luanda, 53 pontos, que recebe o Sagrada Esperança.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.