1.º de Agosto pode conquistar tricampeonato na quinta-feira

O 1.º de Agosto pode conquistar já na quinta-feira o tricampeonato angolano na penúltima jornada do Girabola, tendo de vencer na deslocação ao Dundo (Lunda Norte) o Sagrada Esperança, atual sétimo classificado.

Com três pontos de vantagem sobre o rival Petro de Luanda (50 pontos), os militares (53) têm vantagem no confronto direto - empate a zero na primeira volta e vitória por 2-0 na segunda -, pelo que uma vitória garante o tricampeonato.

Numa penúltima jornada (29.ª) com os jogos a serem disputados todos à mesma hora (15.00 locais, mesma hora em Portugal), o Petro de Luanda tem, teoricamente, um jogo mais difícil, pois desloca-se ao terreno do Interclube, que está na terceira posição na prova, com 42 pontos, mais cinco do que a Académica do Lobito e Recreativo do Libolo.

A equipa do Lobito desloca-se ao terreno do Recreativo de Caála, que ainda não está livre de uma despromoção ao segundo escalão, uma vez que tem 25 pontos, tantos quantos o Cuando Cubando FC, que recebe o Recreativo do Libolo.

Com a desistência do JGM do Huambo, o 1.º de Maio de Benguela (19 pontos e apenas com uma partida por disputar - folga na última jornada) também já desceu ao segundo escalão, faltando saber quem os acompanhará.

A três pontos do Recreativo de Caála e do Cuando Cubango FC está o Domant FC do Bengo (22 pontos), que joga quinta-feira na Huíla, frente a um confortável Desportivo local (6.º lugar, com 33 pontos), necessitando de uma vitória para manter a esperança de permanecer no principal escalão do futebol angolano.

Nos restantes dois jogos da penúltima jornada, em que folga o Progresso do Sambizanga (9.º, com 30 pontos), os Bravos do Maquis (10.º, também com 30) recebem o Kabuscorp do Palanca (8.º, com 31), e o já despromovido 1.º de Maio do Bengo recebe um tranquilo Sporting de Cabinda (8.º, com 31).

A última jornada do Girabola disputa-se a 2 de setembro e, tal como na penúltima, os jogos decorrem à mesma hora.

Jogos da 29.ª e penúltima jornada:

Quinta-feira (todos às 15.00)

Recreativo de Caála - Académica do Lobito

Bravos do Maquis - Kabuscorp do Palanca

Cuando Cubango FC - Recreativo do Libolo

Sagrada Esperança - 1.º de Agosto

Desportivo da Huíla - Domant FC do Bengo

Interclube - Petro de Luanda

1.º de Maio de Benguela - Sporting de Cabinda

Progresso do Sambizanga (folga)

Classificação após 28 jornadas:

1. - 1º de Agosto - 53;

2. - Petro de Luanda - 50;

3. - Interclube - 42;

4. - Académica do Lobito - 37;

5. - Recreativo do Libolo - 37;

6. - Desportivo da Huíla - 33;

7. - Sagrada Esperança - 33;

8. - Sporting de Cabinda - 31;

9. - Kabuscorp do Palanca - 31;

10. - Progresso do Sambizanga - 30;

11. - Bravos do Maquis - 30;

12. - Recreativo de Caála - 25;

13. - Cuando Cubango FC - 25;

14. - Domant FC do Bengo - 22;

15. - 1.º de Maio de Benguela - 19;

16. - JGM do Huambo (desistência).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.