Quem são as hipóteses para treinador? Certezas só as de Luís Filipe Vieira

Há semanas, o presidente do Benfica não concretizou o despedimento de Rui Vitória porque viu "uma luz" durante a noite que passou no Seixal. Agora vai ter de descobrir outra para o ajudar a escolher o substituto do técnico

Com a saída de Rui Vitória do comando técnico do Benfica surgiram diversos nomes de treinadores como hipóteses, mais ou menos credíveis, para ocupar o lugar. E nem a garantia dada pelo diretor de comunicação do clube de que só a partir de segunda-feira é que o presidente Luís Filipe Vieira vai iniciar o processo para essa contratação acalmou os adeptos.

Pelo contrário, aumentou a discussão nas redes sociais entre benfiquistas, e não só, sobre qual a melhor escolha para liderar o clube que ocupa a quarta posição da Liga NOS (liderada pelo FC Porto).

Tal como a nomeação de Bruno Lage (o responsável pela equipa B) para liderar a equipa num período não explicado, mas que até pode ser até ao final da temporada, desviou as atenções sobre o futuro técnico.

E são muitos os nomes que têm sido nomeados:

Jorge Jesus - É um dos nomes mais referidos nas últimas horas. Atualmente a treinar o Al Hilal (Arábia Saudita), de onde se diz poder sair ainda esta sexta-feira, o treinador que treinou o Benfica entre 2009 e 2015 (onde ganhou três campeonatos, uma Taça de Portugal, cinco taças da Liga e uma Supertaça Cândido de Oliveira) nunca escondeu querer voltar a Portugal e, provavelmente, ao clube da Luz.

Paulo Fonseca - O DN já noticiou que o treinador do Shakhtar Donetsk foi sondado, mas que recusou pois tem contrato com o clube ucraniano até ao verão de 2020.

Rui Faria - O antigo adjunto de José Mourinho durante vários anos e atualmente sem ligação a um clube também tem sido dado como hipótese.

Luís Castro - A treinar o Vitória de Guimarães, Luís Castro surge esta sexta-feira como uma das possibilidades para ocupar o lugar de Rui Vitória. Já treinou diversos clubes (Águeda, Mealhada, Estarreja, Sanjoanense, Penafiel, FC Porto e FC Porto B, Rio Ave, Chaves e agora o Guimarães) e recusou recentemente um convite para treinar o Reading, da segunda divisão inglesa, de forma a manter-se em Portugal.

Vítor Pereira - O vencedor do campeonato chinês, com o Shangai SIPG, também surge nas listas de candidatos a treinar o Benfica, até porque já terá demonstrado vontade de regressar a Portugal. Uma das dificuldades para esse regresso será o vencimento.

Marco Silva - Este é um dos treinadores que regularmente é apontado como hipótese para o Benfica. Desde o início da época que treina o Everton, onde não tem conseguido bons resultados nas últimas semanas. Este sábado recebe o Lincoln City (4.ª divisão inglesa) para a Taça de Inglaterra, um jogo importante para o seu futuro.

A estes nomes podemos acrescentar alguns treinadores que estão sem trabalho, mas que não contam para este "jogo". Fica a referência como curiosidade:

José Mourinho - Saiu do Manchester United devido aos maus resultados. Ganhava 15 milhões de euros limpos/ano

Leonardo Jardim - Depois de deixar o Mónaco já foi "colocado" em diversos clubes. Nesta quinta-feira foi dado como praticamente certo no comando dos chineses do Dalian Yifang, mas não foi confirmado.

Julen Lopetegui - Foi despedido do Real Madrid e está sem clube. Em Portugal treinou o FC Porto.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.