Benfica volta a falhar no último lance e fica com um pé fora da Champions

A equipa de Rui Vitória somou o quarto jogo seguido sem vencer. Desta vez empatou 1-1 com o Ajax em casa e nos instantes finais falhou o golo que daria a vitória. Já em Amesterdão tinha perdido no último suspiro da partida. A Luz vive tempos de crise...

O Benfica ficou esta quarta-feira com um pé fora da Liga dos Campeões ao ceder um empate 1-1 com o Ajax, no Estádio da Luz. As contas, se já estavam difíceis, ficaram agora bastante complicadas, pois este resultado mantêm a vantagem de quatro pontos dos holandeses, quando estão apenas seis pontos em disputa.

E a verdade é que a história desta luta pelo apuramento poderia ser bem diferente, pois os últimos minutos das duas partidas com o Ajax foram fatais para os encarnados, que em Amesterdão sofreram o golo da derrota (0-1) na última jogada da partida, e agora na Luz foi Gabriel a ter a possibilidade de dar a vitória no último lance, mas o guarda-redes Onana defendeu com os pés quando os adeptos já gritavam golo.

Foram dois detalhes que em competições como a Champions fazem toda a diferença e que derrubam o ânimo de qualquer equipa. E como o Benfica precisava de algo que o animasse, pois ontem somou o quarto consecutivo jogo sem vencer (três derrotas e um empate), algo que não acontecia desde a época 2011/12, quando Jorge Jesus orientava a equipa.

Os encarnados entraram bem na partida, como que querendo demonstrar muita vontade de acabar com a crise, com Grimaldo e Franco Cervi a testarem a atenção de Onana, guarda-redes camaronês que estaria em foco na partida, pelas melhores e as piores razões.

No entanto, aos poucos o Ajax começou a tomar conta do jogo, com o seu estilo de jogo de pé para pé, com os encarnados a recuarem no terreno, provavelmente de forma estratégica, para aproveitar os espaços que lhe eram concedidos assim que recuperava a bola.

Jonas quebra pacto de não agressão

Assistiu-se a um período de cerca de 20 minutos em que as equipas pareciam ter assinado um pacto de não agressão... mas que na prática tinha a ver com a estratégia. Aos holandeses convinha conservar a posse de bola para aproveitar o menor deslize encarnado para chegar à baliza de Vlachodimos, enquanto os benfiquistas sabiam que não podiam correr riscos desnecessários.

Quando o relógio chegava já à meia hora, Jonas quase aproveitou um deslize de Onana, que se atrapalhou com a bola nos pés. Era um aviso para o que iria acontecer no instante seguinte, quando um lançamento lateral longo de Salvio não foi intercetado pelo guarda-redes camaronês, tendo a bola chegado a Jonas, que solto na área abriu o marcador, dando esperança de que a noite seria encarnada. Foram instantes de grande fulgor da equipa de Rui Vitória, que no lance seguinte poderia ter aumentado a vantagem, não fosse Salvio ter chegado atrasado ao cruzamento de Jonas.

O Ajax parecia estar perdido no jogo, não conseguia conservar a bola em seu poder e permitia ataques rápidos do Benfica, que estava a ter o melhor período no jogo. Ainda assim, em cima do intervalo, um livre direto de Lass Schöne quase empatou o jogo, não fosse Vlachodimos a fazer uma excelente defesa... na recarga Van de Beek falhou o golo de forma escandalosa.

Estava dado o aviso para o que se passaria na segunda parte, na qual o Benfica começou uma espécie de suicídio. Aos 55 minutos, Salvio e Jonas, dois dos melhores jogadores da equipa até então, já tinham sido substituídos devido a lesões e a partir daí os encarnados como que, por artes mágicas, desapareceram do jogo.

O golpe duro de Tadic

O Ajax voltou a assumiu o controlo absoluto do jogo, mas agora com a clara intensão de procurar o empate, começando a criar vários problemas ao lado direito da defesa do Benfica, onde o brasileiro David Neres era uma espécie de abre latas, que deixou André Almeida em dificuldades. Mas aos poucos foi emergindo Ziyech, que passou a surgir em zonas mais recuadas para fazer valer o seu talento e visão de jogo. E foi ele que aos 61 minutos fez um passe fantástico para solicitar a velocidade de Dusan Tadic, no meio dos centrais encarnados. O sérvio ultrapassou Vlachodimos e desviou para a baliza, de nada valendo o esforço de Rúben Dias.

O Benfica sentiu o golpe duro e os minutos que se seguiram mostraram uma equipa a querer resolver na base dos lançamentos longos para Seferovic ou por lances individiuais que, invariavelmente, resultavam em posse de bola para o adversário. Gabriel era dos poucos jogadores encarnados a ter alguma lucidez, sobretudo através da sua capacidade de passe. Foram dois passes do médio brasileiro que abriram a defesa holandesa, primeiro valendo um grande corte de De Ligt e depois Onana que defendeu um remate de Seferovic.

Gabriel falha pontapé na crise

Apesar da vontade dos benfiquistas, o Ajax estava confortável no jogo, trocando a bola entre os seus jogadores e sempre longe da sua área. E quando o adversário se aproximava da baliza estava lá Onana, que depois do erro no golo de Jonas, tornou-se o herói nos instantes finais, defendendo um remate de Rafa para canto, na sequência do qual negou o golo a Gabriel.

Chegava o apito final do árbitro e na Luz ouviu-se um coro de assobios e viram-se lenços brancos. O Benfica continua em crise e a contestação a Rui Vitória continua, afinal os quatro jogos sem vencer atiraram a equipa para o 5.º lugar da Liga e deixam-na praticamente fora os oitavos-de-final da Liga dos Campeões pelo segundo ano seguido.

Salvaram-se apenas os 900 mil euros de prémio da UEFA pelo empate, escasso para quem dependia dos dois jogos com o Ajax para uma boa carreira na Liga dos Campeões. Resta agora garantir pelo menos a passagem à Liga Europa... Quanto a Rui Vitória, o jogo de domingo com o Tondela, será fundamental para a sua continuidade na Luz, pois a paciência dos adeptos parece estar a esgotar-se.

A FIGURA - JONAS

Voltou a mostrar que é um jogador essencial para a equipa do Benfica. Não foi só o golo que marcou, típico de um goleador, mas também a forma como faz a equipa jogar, como a mantém ligada e a saber o que fazer para chegar à baliza contrária. A maior prova da sua importância é a forma como os encarnados jogaram depois de o brasileiro ter sido substituído já na segunda parte, parecendo que perdeu o seu cérebro e passando a jogar de forma mais desgarrada e em esforço.

FICHA DO JOGO

Estádio da Luz (51 328 espectadores)
Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)

Benfica: Vlachodimos; André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Grimaldo; Fejsa, Gedson Fernandes (Pizzi, 75'), Gabriel; Salvio (Rafa Silva, 48'), Jonas (Seferovic, 55'), Franco Cervi
Treinador Rui Vitória

Ajax: Onana; Mazraoui, De Ligt, Daley Blind, Tagliafico; Frenkie De Jong (Wöber, 86'), Lass Schöne, Van de Beek; Ziyech, Dusan Tadic, David Neres ( Kasper Dolberg, 74')
Treinador: Erik Ten Hag.

Cartão amarelo a Tagliafico (34'), Jonas (39'), De Ligt (42'), Fejsa (45'+1), Jardel (70'), Van de Beek (72') e Tadic (83')

FILME DO JOGO

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.