FIFA quer fixar preço de futebolistas através de... um algoritmo

Clubes até poderão pagar mais do que o preço fixado, mas a quantidade excedente terá uma espécie imposto de luxo que irá para um fundo destinado ao futebol de formação

Que as entidades que regem o futebol pretendem controlar a especulação do mercado de transferências já não é novidade. Mas a notícia é que a FIFA quer fixa o preço dos passes dos futebolistas através de um algoritmo.

De acordo com o El País , o presidente Gianni Infantino criou em novembro do ano passado um grupo de trabalho para controlar um mercado que movimenta mais de 6 mil milhões de euros por temporada. Para tal, o organismo que tutela a modalidade recorreu ao suíço Raffaele Poli e aos seus companheiros Loïc Ravenet e Roger Besson, que desde 2010 estão a desenvolver um algoritmo que pretende estimar cientificamente o preço ajustado dos futebolistas.

"Pensávamos que estávamos num setor económico não racional, pelo que nos surpreendeu muito encontrar uma boa correlação entre os preços que a sua fórmula determina e os que são pagos", considerou Poli, que estudou dados de quase cinco mil transferências entre julho de 2011 e junho de 2018 e dirige o Observatório do Futebol do Centro Internacional de Estudos do Desporto (CIES), em declarações ao jornal espanhol.

Muitas variáveis em jogo

Mas, afinal, como é que esse algoritmo é calculado? Segundo Poli, é tido em conta o nível do clube interessado em comprar um jogador, o que tem um peso enorme no preço final, que "pode chegar ao dobro". No entanto, há outras variáveis que influem nos valores, muitas delas atualizadas semana a semana, como as estatísticas em jogos (goles, passes, cortes...), os resultados dos seus clubes e seleções, a idade, a posição, a liga em que jogam, a duração do seu contrato e se está emprestado, estimando-se que a correlação média entre o preço estimado e o pago é superior a 75 por cento.

O modelo, diz Poli, já foi validado pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) há alguns anos e está agora a ser estudado pela FIFA: "Consultaram-nos várias vezes. Estavam interessados em aprofundar o funcionamento do algoritmo". Entretanto, a FIFA incluiu no documento final [Reforma do sistema de transferências 2018] a recomendação de um algoritmo que fixe o preço dos futebolistas e mencionada o método do CIES para estimar "valores de transferência e probabilidades de uma forma científica".

Outra ideia do CIES recolhida na proposta do grupo de trabalho da FIFA é uma espécie de imposto para os clubes que paguem acima dos preços fixados. "Se um jogador estiver avaliado em 100 e um clube pagar 150, pode fazê-lo, mas teria de pagar uma compensação por esses 50 que seria destinada aos clubes da formação do atleta", explica o líder do observatório.

Este algoritmo é uma das recomendações do recente documento da FIFA, que inclui também a pretensão de limitar o número de jogadores emprestados por cada clube e fixar as comissões que os agentes recebem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG