Fernando Santos: "Ronaldo? Não o devia era ter posto no jogo com o Man. United"

Selecionador nacional fez este sábado a antevisão da final da Liga das Nações, frente à Holanda, marcada para este domingo (19.45) no Estádio do Dragão

Fernando Santos frisou que a final da Liga das Nações entre Portugal e Holanda, marcada para este domingo (19.45) no Estádio do Dragão, é um momento de alegria e não de pressão. "É um momento de grande alegria, não de grande pressão. O objetivo é vencer, frente a um adversário de grande qualidade, mas Portugal também a tem", afirmou à Sport TV.

Questionado sobre como correu a preparação para o encontro decisivo, o selecionador nacional diz que... "não correu". "Treinámos no dia a seguir e hoje [sábado] fizemos um treino ligeiro para que possamos estar fortes na final. Nunca há tempo numa seleção nacional. Só soubemos quem era o adversário na quinta-feira à noite e tivemos pouco tempo para o estudar. Foi importante ver o jogo com Inglaterra", afirmou, assumindo que Portugal pode ter vantagem "no plano teórico" por ter tido mais tempo de descanso do que a Holanda, que ainda teve de disputar um prolongamento para levar de vencida a Inglaterra nas meias-finais. "O fator motivacional é mais forte do que isso", acrescentou.

"A seleção nacional sempre teve uma filosofia de querer ganhar. Vamos querer marcar golos, mas com equilíbrio e montar uma estratégia para controlar os pontos fortes do adversário e tirar partido dos pontos menos fortes", afirmou, já em conferência de imprensa, assumindo ser "motivante jogar em casa" e que a Holanda mereceu ganhar (por 3-0) o particular entre ambas as seleções relativo a março do ano passado. "É normal haver uma quebra num momento de transição numa seleção, mas agora a Holanda está forte outra vez", aditou.

Sobre Cristiano Ronaldo, Fernando Santos diz que só ficou surpreendido com ele quando o treinou no Sporting. "Não o devia era ter posto no jogo com o Manchester United, porque tinha ficado com ele durante a época. Acho que ele vai continuar a marcar muitos golos durante um bom tempo. Acredito que ele vai dar muitas alegrias não só aos clubes como à seleção nacional", vincou.

Rui Patrício: "Holanda traz-nos boas recordações"

Caso jogue este domingo, o que é expectável, Rui Patrício vai ultrapassar Vítor Baía e tornar-se o guarda-redes com mais internacionalizações por Portugal, 81. "É um grande motivo de orgulho para mim e para a minha família, mas o mais importante é o jogo de amanhã [domingo]", afirmou o guardião do Wolverhampton, em declarações à Sport TV.

Sobre o adversário da final. Patrício recorda os jogos anteriores com os holandeses mas alerta que cada encontro tem a sua história. "Holanda traz-nos boas recordações, mas agora é completamente diferente, disputa-se uma final. Jogar perante o nosso público é um sentimento especial", frisou, confiando na dupla de centrais composta por José Fonte e Rúben Dias: "Temos confiança em todos os jogadores. Confiamos em todos na seleção, todos estão aqui para dar o melhor e para ganhar."

Já em conferência de imprensa, Rui Patrício diz que não há vantagem por jogar em casa: "De certeza absoluta que vai ser um excelente jogo. Jogar em nossa casa é perfeito."

"Queremos defrontar com os melhores atletas do mundo. Todos os dias procuramos evoluir. Ter a oportunidade de trabalhar com o Cristiano é um enorme motivo de orgulho e uma grande aprendizagem. Temos a sorte de poder partilhar o balneário com ele e de trabalhar com ele", afirmou, sobre o capitão da seleção nacional. "Ele está neste torneio como todos, não é só ele. Cada jogador tem que fazer o seu trabalho e tem que fazer o seu melhor em prol da equipa. Trabalha todos os dias para isso, como todos trabalhamos. Foi muito bom fazer três golos, mas já é habitual nele", aditou.

"A Holanda é uma seleção muito forte, com jogadores muito evoluídos tecnicamente e taticamente. Vamos fazer tudo para ganhar. É esse o nosso objetivo e o nosso sonho", atirou.

Em comparação com a final do Euro 2016, disse que a diferença é que a final é em Portugal e não em França: "Felizmente há três anos conseguimos ganhar. Agora o objetivo também é ganhar. O que nós, atletas e treinadores, queremos é ganhar títulos. Já conhecemos a Holanda, temos visto os jogos. Penáltis? Para qualquer jogo temos de estar preparados para tudo."

Exclusivos