Fernando Santos e Bernardo Silva com "fome de títulos" pela seleção

O selecionador nacional e o jogador do Manchester City garantiram que Portugal vai iniciar a Liga das Nações com a enorme vontade de conquistar o troféu e "dar uma enorme alegria aos portugueses"

"A este nível queremos sempre mais, temos fome de títulos. E como tal temos vontade de conquistar mais um troféu pela seleção. Conhecemos bem a Suíça, mas queremos dar alegria aos portugueses." A ideia foi transmitida por Bernardo Silva na conferência de imprensa de antevisão à meia-final da Liga das Nações com os suíços, que se realiza esta quarta-feira às 19.45 horas no Estádio do Dragão, e mereceu a ampla concordância do selecionador Fernando Santos.

"É importante para nós vencer este torneio porque vivemos de títulos", frisou o treinador da equipa das quinas, lembrando que "as grandes equipas têm sempre a vontade de ganhar", razão pela qual os campeões da Europa estão determinados a dar "mais uma alegria aos portugueses".

Contudo, Fernando Santos deixou claro que esse desejo de conquistar o título não se pode sobrepor ao primeiro obstáculo que Portugal terá pela frente. "A Suíça é uma seleção com grande qualidade e também tem a ambição para ganhar esta competição. É preciso lembrar que tem vindo a fazer um excelente trabalho nos últimos anos, e ate nos deu muito trabalho no apuramento para o Mundial 2018", avisou, garantindo que os helvéticos estão na final four "por mérito próprio, pois eliminou a Bélgica, que é uma das equipas da moda da atualidade".

E nesse sentido lembrou que a Suíça tem "jogadores de enorme classe que jogam em Inglaterra e que, alguns deles, até estiveram nas recentes finais europeias de clubes". "Por isso, temos de focar-nos na nossa estratégia e naquilo que o adversário pode fazer", acrescentou, garantindo que a estratégia que foi preparada foi "a pensar no coletivo" da equipa das quinas, mais concretamente tendo em conta "o que fazer defensivamente e como procurar os caminhos para chegar à baliza adversária".

"Temos de compatibilizar o talento"

Fernando Santos foi ainda questionado sobre as dificuldades que tem sentido em compatibilizar talentos que estão agora a aparecer ao mais alto nível, como João Félix e Bruno Fernandes, com aqueles que já existiam na seleção. E o selecionador respondeu com outra questão: "Desde quando é que a nossa seleção não teve de compatibilizar talentos?"

O técnico nacional respondeu depois com exemplos do passado: "Nos últimos 20 anos tivemos que fazer sempre isso. E isso nunca foi um problema. Se queremos vencer temos de compatibilizar tudo. Temos muito talento, é verdade, mas antes também houve. No Euro 2004, por exemplo, a questão que se colocava era se devia jogar Deco ou Rui Costa... mas havia também Figo, Simão... e por pouco não ganhámos esse Campeonato da Europa. Tenho 20 jogadores de enorme talento e tenho de procurar a melhor equipa para vencer a Suíça.

Questionado sobre se João Félix está pronto para ser lançado no onze inicial, Fernando Santos foi taxativo: "Se não estivesse pronto para jogar não estaria aqui. Independentemente da idade, o que importa é a avaliação que fazemos das qualidades de cada um dos jogadores. E muitos deles tiveram de ficar de fora que também têm muito talento, pois só pudemos convocar 23."

Bernardo Silva: "Não há indiscutíveis na seleção"

Bernardo Silva admitiu entretanto que a excelente época que fez em Inglaterra ao serviço do Manchester City lhe dá "confiança e inspiração" para jogar pela seleção, pela qual quer "conquistar um título" para juntar aos três que venceu pelo seu clube.

O médio ofensivo recusou falar em favoritos à conquista da Liga das Nações e explicou porquê: "Para qualquer uma das seleções chegar a estas meias-finais foi necessário muita qualidade. Para nós é bom jogar em casa, com o apoio os nossos adeptos, mas numa fase final é difícil falar em favoritos." O jogador de 24 anos admitiu que "seria especial jogar a final com a Inglaterra" frente a jogadores que conhece bem, mas para isso deixou uma certeza: "Primeiro temos de estar focados na meia-final com um adversário tão difícil como a Suíça."

Bernardo Silva recusou depois a ideia de ter o lugar cativo no onze de Fernando Santos. "Não há jogadores indiscutíveis na seleção. Os 23 que aqui estão merecem e têm qualidade para jogar. Eu sou mais um para dar o melhor para ajudar a equipa a chegar à final", sublinhou.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.