Copa América: Colômbia, de Carlos Queiroz, vence Argentina na estreia

A Colômbia, orientada pelo treinador português Carlos Queiroz, entrou no sábado da melhor forma na edição 2019 da Copa América em futebol, ao vencer a Argentina por 2-0, na primeira jornada do Grupo B, em Salvador.

Roger Martínez, aos 71 minutos, e Duvan Zapata, aos 86, selaram o triunfo dos 'cafeteros', que estiveram melhor na primeira parte e marcaram na segunda, numa altura em que os 'albi-celestes' estavam por cima e tinham feito várias ameaças.

Os colombianos, que tiveram menos tempo a bola e remataram menos, deram um passe importante rumo aos quartos de final, num agrupamento que conta igualmente com Paraguai e Qatar, duas formações que se defrontam hoje.

Por seu lado, os argentinos, que sofreram a primeira derrota em fase de grupos desde 2004, e após 13 jogos, não estão, longe disso, fora da corrida ao apuramento, até porque passam os dois primeiros de cada grupo e os dois melhores terceiros.

A primeira parte foi equilibrada, mas a Colômbia esteve melhor, embora sem criar grandes ocasiões, merecendo destaque apenas duas ações de Falcao, que, aos 30 minutos, roubou a bola a Otamendi e depois passou mal, e, aos 40, atirou contra Pezzella.

Depois do intervalo, a Argentina melhorou, assumiu o comando do encontro e criou várias ocasiões para marcar, nomeadamente por Paredes (59 minutos) e Otamendi e Messi (66).

Os comandados de Lionel Scaloni não foram, porém, eficazes, e, aos 71 minutos, a Colômbia marcou: James Rodríguez lançou Roger Martínez na esquerda e este passou como uma 'flecha' por Saravia, futuro jogador do FC Porto, e rematou de forma imparável.

A Argentina ainda tentou, já sem a mesma convicção, chegar ao golo, e evitar o desaire, mas, aos 86 minutos, os colombianos acabaram com o jogo em contra-ataque, com Duvan Zapata a encostar na pequena área, após jogada na esquerda entre Martínez e Lerma.

No primeiro encontro do dia, o marcador não funcionou no embate entre o Peru e a Venezuela, muito por culpa do jovem guarda-redes da seleção 'vinho tinto' Wuilker Faríñez, de 21 anos, sendo que, do outro lado, Pedro Gallese também esteve em bom plano.

Os peruanos, que procuram passar a fase de grupos pela nona edição consecutiva -- falharam a última vez em 1995 -, criaram mais e melhores oportunidades, mas tiveram zero na eficácia, mesmo contra 10 desde os 75 minutos, por expulsão de Luis Mago.

Os peruanos até introduziram a bola na baliza contrária logo aos sete minutos, por Christofer González, mas o lance foi anulado, pelo VAR, por fora de jogo, sendo que, ainda antes do intervalo, Faríñez brilhou perante Paolo Guerrero.

Na segunda parte, Jefferson Farfán também teve um golo anulado por um fora de jogo e, aos 78 minutos, já com os venezuelanos reduzidos a 10, Faríñez e o 'ferro' seguraram o 'nulo'.

Com o empate em Porto Alegre, o Brasil acaba a primeira ronda isolado na liderança do Grupo A, uma vez que na sexta-feira bateu a Bolívia por 3-0, graças a dois golos de Philippe Coutinho, o primeiro de penálti, e um do suplente Everton.

Na formação venezuelana, Jhon Murillo, jogador do Tondela, foi titular, sendo substituído aos 84 minutos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.