Comité Olímpico ainda não dá como certas as datas para Tóquio 2020

Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional, admite que "estão a ser considerados vários cenários" e que "não seria responsável definir uma data" para a realização dos Jogos.

Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), reconheceu, em entrevista ao New York Times, que a situação relacionada com a pandemia de coronavírus é cada vez mais preocupante, mas diz continuar otimista de que a evolução do número de infeções pode diminuir o suficiente para permitir que os Jogos Olímpicos se realizem.

Apesar de o COI ter anunciado na terça-feira que os Jogos se mantêm nas datas programadas (de 24 de julho a 9 de agosto), mantêm-se as dúvidas sobre se essa decisão é possível de ser cumprida. "Não sabemos qual será a situação e, como tal, estamos a considerar vários cenários, mas ao contrário de outras organizações desportivas e ligas profissionais, ainda temos quatro meses e meio até à cerimónia de abertura. Muitos adiaram as competições para abril ou final de maio, mas nós estamos a falar no final de julho", disse o presidente do COI.

"Ninguém sabe o que acontecerá amanhã, em um mês ou em quatro meses. Como tal, eu não seria responsável se definisse uma data neste momento. Existem muitas previsões diferentes sobre o coronavírus. Alguns dizem que seguirá a mesma curva, outros que vai demorar mais tempo. Confiamos na nossa equipa e na Organização Mundial de Saúde (OMS), que nos dizem que é cedo para tomar uma decisão", acrescentou Bach.

O presidente do COI garantiu ainda que a organização de Tóquio 2020 está a agir com responsabilidade em relação ao impacto que as próprias decisões possam ter: "Primeiro, queremos proteger a saúde dos atletas e conter a propagação do vírus. Segundo, a nossa decisão não será tomada por interesses financeiros. Os 206 comités e federações afirmaram que o mundo, numa situação tão difícil, precisa de um símbolo de esperança."

Questionado sobre a preocupação dos atletas em relação à pandemia, Thomas Bach aconselhou-os a "contactarem os comités nacionais para obterem informações sobre como podem treinar, respeitando as restrições". "Reparámos que alguns podem e que outros atletas são muito criativos no treino em casa, mas recomendamos, mais uma vez, que os atletas estejam atentos às medidas em vigor nos seus países", esclareceu.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG