Chelsea de Lampard empata em casa e continua sem vencer

O Chelsea consentiu este domingo um empate a um golo frente ao Leicester, com os dois emblemas ainda sem vencerem após disputarem a segunda jornada da Liga inglesa

Em Stamford Bridge, três dias depois de ter perdido em Istambul nos penáltis a Supertaça Europeia para o Liverpool, o Chelsea foi uma pálida imagem em comparação com o que tinha demonstrado, apesar de até ter estado em vantagem.

Mason Mount, de 20 anos, voltou a merecer a confiança de Frank Lampard e esteve em evidência logo aos sete minutos, ao antecipar-se nas costas de Ndidi e fazer o 1-0 para os blues, que na primeira jornada tinham perdido com o Manchester United por 4-0.

O jogo esteve nas mãos do Chelsea durante mais de uma hora, mas Ndidi redimiu-se do sucedido na primeira parte e igualou, de cabeça, aos 67 minutos, dando novo tónico ao Leicester, que teve Ricardo Pereira a titular.

A confiança dos foxes foi não só reforçada pelo golo, mas também com as saídas de Jorginho e Pulisic nos londrinos, e as entradas de Kovacic e Willian, incapazes de darem novo ânimo à equipa da casa.

Cumpridas duas jornadas, o Leicester soma dois pontos, resultantes de empates com o Chelsea e Wolverhampton, enquanto os blues têm apenas um, num momento em que Liverpool e Arsenal lideram o campeonato, com seis pontos resultantes de duas vitórias.

Nesta ronda, o Liverpool saiu vitorioso da visita ao Southampton e o Arsenal bateu em casa o Burnley, ambos por 2-1.

O Manchester United, que também venceu na primeira jornada, pode igualmente chegar-se à frente, se na segunda-feira vencer na visita ao Wolverhampton, de Nuno Espírito Santo.

No sábado, o campeão Manchester City empatou em casa com o Tottenham, a 2-2, e já este domingo o promovido Sheffield United venceu o Cristal Palace, com um golo de Lundstram, aos 47 minutos.

José Gomes vence pela primeira vez

O Reading, do treinador português José Gomes, conseguiu este domingo os primeiros pontos na II Liga inglesa, ao vencer na receção ao Cardiff por 3-0, em jogo da terceira jornada.

A equipa, que tinha perdido nas duas primeiras rondas, com Sheffield Wednesday (3-1) e Hull City (2-1), venceu o Cardiff com golos do romeno George Puscas (25 e 40 minutos) e de John Swift (83), e ainda falhou um penálti, por Meite.

José Gomes, que foi treinador até metade da última época no Rio Ave, assumiu os destinos do Reading em dezembro de 2018, ajudando a equipa a garantir a manutenção no Championship.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.