Campeão Olímpico de natação, Ryan Lochte banido por um ano

De acordo com Agência Americana de Antidoping, o nadador americano fez injeção intravenosa, o que é proibido pelas regras, e por isso foi suspenso até julho de 2019. É a segunda suspensão em menos de dois anos.

O nadador Ryan Lochte foi suspenso pela Agência Americana de Antidoping (USADA, sigla em inglês) até julho de 2019 por violar o protocolo antidoping. De acordo com o comunicado da USADA, o nadador de 33 anos "quebrou as regras ao fazer uma injeção intravenosa sem estar hospitalizado ou ter autorização para a fazer".

A investigação teve origem em maio, após o nadador publicar uma fotografia, em que era possível ver que estava a ser sujeito a uma intervenção intravenosa, o que é proibido pelas regras de antidoping, a não ser que esteja hospitalizado ou seja autorizado pelas entidades competentes em matéria de doping. Por isso a USADA abriu uma investigação e decidiu suspender o nadador por 14 meses, com retroativos a maio. Ou seja, até julho de 2019.

Afastado das piscinas, Lochte perderá o campeonato nacional que será disputado esta semana na Califórnia, onde o campeão Olímpico competiria em quatro provas, e o Pan-Pacífico, em agosto deste ano e levanta dúvidas sobre a participação nos JO Tóquio 2020.

O assalto inventado

Dono de doze medalhas olímpicas, Lochte enfrenta agora a segunda punição em menos de dois anos. Nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Lochte e outros três nanadores americanos envolveram-se numa confusão num posto de gasolina, tendo relatado à polícia e à imprensa que haviam sido roubados. O que se provou ser mentira, com o nadador a ser suspenso por 10 meses pela federação americana.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.