Bruno Lage: "Grato por tudo o que o presidente tem feito pela minha carreira"

O treinador do Benfica renovou contrato até 2023, recordou o passado, as conversas com Luís Filipe Vieira e assumiu que os adeptos o vêem "como um deles"

Bruno Lage disse sentir um "enorme orgulho" por ter renovado contrato como treinador do Benfica até 2023. "É a oportunidade de dar continuidade ao trabalho que temos vindo a desenvolver nas últimas seis semanas", assumiu.

O técnico de 42 anos destacou ainda todo o percurso que fez de águia ao peito desde 2004. "É também um enorme orgulho pelo percurso que tenho vindo a fazer nesta casa, para além do futebol 7, treinei iniciados, juvenis, juniores, equipa B e agora tenho esta oportunidade fantástica de treinar a equipa principal", sublinhou em declarações à BTV, fazendo questão de destacar "todas as pessoas" que o têm acompanhado ao longo da carreira.

Ainda assim, deixou a garantia que este momento importante para a sua carreira não irá influenciar o trabalho que está para fazer: "Nada disto nos desvia do trabalho e da concentração com que temos estar todos empenhados no clube, com boa dinâmica, um bom jogo coletivo, boas exibições e vitórias."

Bruno Lage destacou ainda a importância do presidente Luís Filipe Vieira naquela que tem sido a sua ascensão na carreira. "Temos uma ligação fantástica, foi com o presidente que eu entrei para o Benfica e foi também com ele que, a determinada altura, decidimos que era importante eu sair para evoluir. Nunca perdemos o contacto e houve sempre uma promessa da parte dele que, quando sentisse a oportunidade, voltaríamos a falar para eu voltar. E foi isso que aconteceu passados seis anos", resumiu.

O técnico admitiu ter sido promovido à equipa principal num momento "difícil" devido à saída da equipa técnica liderada por Rui Vitória. "Fico imensamente satisfeito e grato por tudo aquilo que o presidente tem feito pela minha carreira. Apostou no treinador da equipa B e, no espaço de um mês, acreditou que podemos voltar a trazer glória ao clube."

Bruno Lage admitiu que já criou uma boa empatia com os adeptos benfiquistas. "Acho que os adeptos vêm-me como um deles e é nisso que eu me revejo", admitiu, para depois acrescentar: "Eu quero aquilo que os sócios querem, que é uma equipa a apresentar um bom futebol, sem medo de jogar em qualquer campo, com um jogo bonito, atrativo, e que vença que é o fundamental neste clube."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG