Bruno Fernandes assume "culpa" por exibições menos conseguidas

Médio respondeu a um comentário de adepto, assumindo a responsabilidade pelas exibições individuais menos conseguidas, ilibando José Peseiro e o cansaço pós-Mundial

Depois da derrota do Sporting esta segunda-feira no terreno do Sp. Braga (0-1), a contar para a 5.ª jornada da I Liga, Bruno Fernandes desabafou através do Instagram, não escondendo a frustração.

"Não foi o resultado que queríamos, saímos frustrados por não termos conseguido a vitória! Mas agora temos de manter as nossas ideias e a nossa união principalmente para que mais vitórias como as que conquistamos até agora voltem a aparecer", escreveu o médio leonino, que motivou a resposta de vários adeptos sportinguistas.

Um desses adeptos dirigiu-se ao jogador de forma respeitosa, reconhecendo-lhe "brio no seu desempenho", mas questionou o nível exibicional do internacional português em 2018/19. "O que se passa Bruno? Terminas a época de 2017/18 eleito o melhor da I Liga e desapareces em campo na época seguinte? Estás desgastado? Cansado? Percebo que o fim da época passada não foi fácil! Houve ainda um Mundial que te "roubou" o normal período de férias mas, oh Bruno (!), o que tão bem sabes fazer não pode desaparecer por qualquer um dos factores acima indicados. A culpa é do treinador? A escolha tática não é a melhor? Não pode ser! Não podes estar abaixo do teu nível apenas porque o treinador não compreende que o teu rendimento a 8 é de classe mundial. Eu já tenho idade para ter juízo , e sei que esta verborreia que escrevemos é algo que não interessará muito, mas pensa que aqueles que são do Sporting, e que vivem cada jogo com a emoção de sempre, apenas te querem ver bem e a jogar ao teu melhor nível. Para mim tu és o Capitão. E ao Capitão eu peço, apenas, que comande a equipa e que seja o último a a baixar os braços. Se for assim, estou certo que o sucesso aparecerá. Em frente, Sporting!", escreveu o utilizador registado como jorgemsalvado.

Apesar das expetativas baixas em relação ao interesse que o comentário despertasse em Bruno Fernandes, o jogador respondeu, assumindo a "culpa" pelos desempenhos menos conseguidos e ilibando José Peseiro e o cansaço pós-Mundial. "Compreendo tudo aquilo que foi escrito e estou de acordo! É verdade, nada justifica as minhas exibições, não ao nível das do ano passado ou que apareça por simples momentos e volte a desaparecer! Acredita que mais do que ninguém sinto-me frustrado com isso e com a falta de qualidade que tenho vindo a apresentar e não a culpa não é de ninguém a não ser minha! Porque eu sou responsável por mim mesmo e independentemente de tudo sou eu quem joga sou eu quem tem de perceber o que tem de melhorar e fazer melhor, mas uma coisa eu prometo que atitude e compromisso vou ter sempre e nunca vou faltar com isso por mais que jogue bem ou mal isso vai estar sempre no meu jogo! E acredita essa tua crítica que considero construtiva ajudou-me a perceber que por vezes tenho de confiar em mim mesmo porque vocês confiam e esperam muito de mim assim como eu espero! Obrigado e um abraço", atirou o número 8 dos leões.

A publicação também não passou indiferente a Rafael Leão, que rescindiu com o Sporting alegando justa causa e está agora ao serviço dos franceses do Lille. "Vai dar meu irmão ASSUME", escreveu o jovem internacional sub-21 português.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.