Bis de Lewandowski ajuda Bayern Munique a erguer a 19.ª Taça da Alemanha

O internacional português Renato Sanches não saiu do banco dos bávaros.

O Bayern Munique reforçou este sábado o estatuto de clube com mais títulos na Alemanha, ao juntar a Taça ao campeonato e à Supertaça, depois de vencer o Leipzig por 3-0, na final disputada no Estádio Olímpico de Berlim.

A resistência do Leipzig durou até à meia hora de jogo, quando o internacional polaco Robert Lewandowski surgiu a cabecear junto à marca de grande penalidade, servido por um cruzamento de David Alaba, aos 29 minutos.

O internacional português Renato Sanches não saiu do banco dos bávaros, que na segunda parte dilataram a vantagem já perto do final: Kingsley Coman fez o 2-0, aos 78 minutos, e Lewandowski bisou, aos 87.

O treinador Niko Kovac colocou ainda em campo Arjen Robben (78 minutos) e Ribéry (85), numa final de uma época em que os dois jogadores se despedem do Bayern Munique, bem como Rafinha, que não foi utilizado.

Esta é a 19.ª Taça da Alemanha conquistada pela equipa de Munique, destacada em relação ao Werder Bremen, com seis troféus.

O finalista vencido, o Leipzig, termina a época com um terceiro lugar na 'Bundesliga' e qualificação para a Liga dos Campeões, e a primeira presença numa final da Taça, desde a sua fundação, em 2009.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.