Benfica pede controlo antidoping nos próprios jogos e nos do FC Porto

Clube da Luz lança o apelo à Autoridade Antidopagem de Portugal para controlar os jogos das duas equipas até final do campeonato

Na ressaca da sétima vitória consecutiva para o campeonato, na Vila das Aves, e a apenas duas jornadas do importante confronto com o FC Porto no Dragão, o Benfica lançou esta terça-feira "um apelo e um desafio" à ADoP para que assegure controlos antidoping nos jogos que envolvem os dois principais candidatos ao título até ao final da Liga.

Na newsletter diária "News Benfica", o clube da Luz justifica o pedido com a necessidade de garantias sobre a "maior transparência possível" na competição.

"O Benfica reafirma que, no sentido de podermos contar com a maior transparência possível, seria recomendável que, daqui até ao final do campeonato, a ADOP pudesse realizar controlo antidoping antes e depois de todos os jogos em que participassem o Benfica e o FC Porto. Fica feito o apelo e o desafio", publicaram os encarnados.

Renovação de Lage é "prenda antecipada"

O boletim informativo do Benfica aborda a renovação do treinador Bruno Lage, anunciada esta terça-feira, e considera-a "uma prenda de aniversário antecipada" para o clube, que festeja 115 anos no final deste mês.

"O reforço da ligação do treinador (e da sua equipa técnica) ao Benfica representa a consolidação de um projeto assente no presente e com enorme projeção no futuro. Trata-se do reconhecimento do mérito e da aposta num rumo há muito definido", lê-se, com a newsletter encarnada a lembrar ainda o registo da equipa sob o comando de Lage no campeonato: "São 7 vitórias consecutivas na Liga, 22 golos marcados nos últimos 4 jogos (média de 5,5 por jogo) e um futebol que reconquistou os adeptos."

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.