Avançados de Portugal arrancam apuramento com 99 golos na época. Só a França tem mais

Cristiano Ronaldo, Dyego Sousa, Rafa, João Félix, André Silva, Bernardo Silva, Gonçalo Guedes e Diogo Jota chegam de pé quente aos jogos frente a Ucrânia e Sérvia.

Os avançados da seleção portuguesa são dos que chegam ao arranque do apuramento para o Euro 2020 mais inspirados à frente da baliza. Feitas as contas, Cristiano Ronaldo, Dyego Sousa, Rafa, João Félix, André Silva, Bernardo Silva, Gonçalo Guedes e Diogo Jota totalizam 99 golos ao serviço dos respetivos clubes ao longo da época. Apenas a campeã mundial e vice europeia França, com 105, supera a equipa das quinas nesse aspeto.

Entre os oito futebolistas que Fernando Santos poderá utilizar nas posições de ataque, o rei continua a ser Cristiano Ronaldo, que leva 24 golos ao serviço da Juventus, apesar dos 34 anos e da adaptação a um novo futebol, conhecido pela robustez defensiva das equipas.

Na hierarquia, o segundo nome da lista é do estreante Dyego Sousa. Embora não tenha marcado nos últimos seis jogos oficiais, o avançado luso-brasileiro do Sp. Braga leva 19, naquela que já é a melhor temporada da carreira, superando os 12 da época passada e de 2015/16, quando representava o Marítimo.

Depois, surge uma dupla benfiquista: Rafa com 14 e João Félix com 12. O antigo futebolista do Sp. Braga já leva em 2018/19 quase o triplo dos golos das duas épocas anteriores (cinco), naquela que também já é a melhor época da carreira, superante os 12 golos apontados ao serviço dos bracarenses em 2015/16. Já o jovem de 19 anos da formação encarnada está a ter uma estreia de sonho na equipa principal, tendo ganhado uma nova vida desde a chegada de Bruno Lage, período em que apontou nove golos.

Ainda acima da dezena de golos, há André Silva, com 11, embora já não marque há dez jogos pelo Sevilha, desde o final de janeiro. E precisamente com 10 remates certeiros chega Bernardo Silva, que até tem jogado muitas vezes a médio no Manchester City. Mais modestos são os registos de Diogo Jota (sete golos pelo Wolverhampton) e Gonçalo Guedes (dois pelo Valência, mas nos últimos três jogos).

Mbappé rei da Europa e Sérvia no pódio

Ainda com 20 anos, o avançado francês Kylian Mbappé é não só o melhor marcador da liga francesa, com 26 golos, como o melhor europeu em todas as competições (31). É do prodígio do Paris Saint-Germain a fatia maior de um bolo de 105 golos da seleção francesa, a que chega ao arranque do Campeonato da Europa com avançados com o pés mais quentes. Griezmann (18 pelo Atlético Madrid), Thauvin (15 pelo Marselha), Fékir (12 pelo Lyon), Martial (11 pelo Manchester United), Giroud (10 pelo Chelsea), Coman (seis pelo Bayern Munique) e Lemar (dois pelo Atlético Madrid) completam a lista.

A completar o pódio de seleções com avançados mais goleadores esta época, surge... a Sérvia, adversária de Portugal no Grupo B e que visita a equipa das quinas na segunda-feira (19.45), no Estádio da Luz. Dusan Tadic, avançado do Ajax cujo nome provoca suores frios aos defesas do Real Madrid, lidera a armada do selecionador Mladen Krstajic, com 29 golos. Seguem-se Luka Jovic, que passou pelo Benfica e agora brilha no Eintracht Frankfurt, adversário das águias nos quartos de final da Liga Europa, com 22; e Prijovic, que defrontou os encarnados no playoff de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões pelo PAOK mas que entretanto se mudou para os sauditas do Al Ittihad, com 20. Com Mitrovic (10 pelo Fulham), Kostic (seis pelo Eintracht Frankfurt) e Radonjic (quatro pelo Marselha) a completar a lista, os avançados sérvios somam 91 golos.

Bem perto da Sérvia surge a Polónia (90) liderada por Lewandowski (30 pelo Bayern), Piatek (27 por Génova e AC Milan) e Milik (18 pelo Nápoles), a Itália (88) de Quagliarella (21 pela Sampdoria) e Immobile (17 pela Lazio), a Inglaterra (87) de Kane (24 pelo Tottenham) e Sterling (19 pelo Manchester City) e a Bélgica (86) de Trossard (19 pelo Genk), Eden Hazard (16 pelo Chelsea9 e Lukaku (15 pelo Manchester United).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.