Atleta algarvio da seleção de pesca submarina morre em campeonato na Dinamarca

O jovem de 31 anos era algarvio e pertencia à equipa da seleção nacional de Pesca Submarina. As causas do acidente ainda não foram apuradas.

O atleta luso-alemão Matthias Sandeck, de 31 anos, morreu este domingo quando participava no XXXII Campeonato Euro-Africano de Pesca Submarina, que decorre na Dinamarca, disse à agência Lusa fonte da Federação Portuguesa de Atividades Subaquáticas (FPAS).

"Um grave acidente esta manhã causou a morte a um atleta português, Matthias Sandeck, que estava no seu segundo dia de competição de pesca submarina. O jovem algarvio de 31 anos integrava a Seleção Nacional de Pesca Submarina que está a participar no campeonato Euro-Africano 2019, na Dinamarca", refere o organismo num comunicado enviado à Lusa.

De acordo com a Federação, as causas do acidente "ainda estão por apurar", mas a organização do campeonato em conjunto com a FPAS "já estão a trabalhar no sentido de conhecer as circunstâncias que levaram à morte do atleta português", que vivia no Algarve.

Matthias Sandeck, atleta de pesca submarina desde 2007, em conjunto com Jody Lot e Humberto Silva, integrava a nova equipa de pesca submarina do Clube Naval de Portimão (CNP), formalizada em janeiro deste ano.

Este trio foi campeão nacional por equipas, nos últimos três anos, tendo Matthias Sandeck vencido o Atlântico Masters em 2013.

"Foi um choque e com profunda tristeza e consternação que a FPAS tomou conhecimento deste acidente que causou a morte ao nosso atleta. A FPAS apresenta as mais sentidas condolências a toda a sua família e amigos, manifestando profunda solidariedade e pesar nesta hora difícil", pode ler-se no comunicado.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.