Apostas online iam acabando com a carreira de Townsend

Jogador do Crystal Palace chegou a apostar e perder cerca de 55 mil euros numa noite. Só parou quando foi apanhado.

"Eu não bebo. Eu não uso drogas. Eu nunca estive numa discoteca na minha vida. E ainda assim consegui perder 46 mil libras com apenas um toque no meu telemóvel. Eu nem precisei sair do meu quarto. Provavelmente sou o único rapaz da história a perder 46 mil libras [54, 4 mil euros] deitado na cama numa quarta-feira à noite em Blackpool." Foi assim que Andros Townsend, jogador do Crystal Palace, confessou, num texto publicado na Players Tribune, o seu vício em apostas online, que levou a que fosse suspenso pela Federação Inglesa em 2013.

Num testemunho em que fala sobre a dor da morte do irmão, o jogador explica como começou a apostar: "Estava aborrecido num quarto de hotel qualquer na noite antes de um jogo e vi na televisão um anúncio de uma app [aplicação] de apostas. Fiz o download e fiz uma pequena aposta para passar o tempo. Em poucos meses estava fora de controlo."

As apostas foram subindo de valor. Quando perdia tentava derrotar a máquina voltando a tentar. Era aposta sobre aposta. "A maioria das pessoas consegue apostar 10 euros ao fim de semana e não pensar mais nisso, mas tudo o que eu faço consome-me completamente. Se me venceres no FIFA vou jogar sem parar até conseguir destruir-te. Se me venceres no ténis de mesa ou nos dardos, vou jogar o tempo todo durante um mês até voltar e destruir-te. Tenho de ser bom em tudo o que faço. Fiz o mesmo nas apostas, mas não funciona assim e só perdia.Tentava tirar-me do buraco, mas estava viciado", recorda.

Até que chegou a apostar e a perder mais de 50 mil euros. "Quando estava no Birmingham na noite da véspera da meia-final do playoff. Estava deitado na cama a tentar descansar. Era o maior jogo da época, mas eu não conseguia dormir, só pegava no telefone e fazia mais apostas. Perdi 46 mil [54, 4 mil euros] num só jogo nessa noite", contou o jogador, que em média, chegou a perder " 3500 euros por semana".

"Era suposto focar-me no futebol", mas só conseguia pensar em como recuperar o dinheiro que perdia. Ele "era bom a mascarar a realidade" e a "agir normalmente". O ciclo vicioso só parou quando foi apanhado: "Só parei quando fui apanhado. Graças a Deus que fui apanhado. Fui acusado pela FA [federação inglesa] e podia ser banido do futebol." Felizmente para ele a federação inglesa "percebeu" que tinga sido "um erros estúpido de um miúdo" e permitiu que voltasse aos relvados: "Fiz terapia e isso salvou-me a minha carreira, mas também me salvou como ser humano."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG