Ansu Fati. A nova joia do Barça que encanta o mundo aos 16 anos

Nasceu na Guiné-Bissau em 2002 e está desde os seis anos em Espanha, para onde o pai tinha emigrado à procura de uma vida melhor. Dez anos depois estreou-se na equipa principal do Barcelona, já jogou no Barcelona e já é considerado por muitos como o sucessor de Messi.

Ansu Fati é neste momento o jogador sensação do futebol mundial. Com apenas 16 anos e 298 dias foi lançado na equipa principal do Barcelona a 25 de agosto num jogo com o Bétis no Camp Nou. Foram apenas 12 minutos em campo, mas o suficiente para se tornar o segundo mais jovem de sempre a a vestir a camisola blaugrana, apenas superado por Vicent Martínez, que em 1941 entrou em campo com menos 18 dias que a agora nova coqueluche do Barça. No final do jogo recebeu um prémio de sonho: um forte abraço do ídolo Lionel Messi, cuja foto foi publicada pelo argentino no Instagram.

Seis dias depois, Fati voltou a destacar-se ao tornar-se o jogador mais jovem de sempre dos catalães a marcar o primeiro golo na Liga espanhola: foi frente ao Osasuna, em Pamplona. Estas são marcas que já ninguém lhe tira, embora persiga agora o recorde de mais novo da história a marcar na Liga dos Campeões, estatuto que pode adquirir durante esta época.

Pai não sabia que tinha um filho tão bom de bola

Mas quem é este prodígio e como apareceu num dos maiores clubes mundiais? Anssumane Fati nasceu a 31 de outubro de 2002 na Guiné-Bissau, por essa altura o pai Bori Fati já tinha emigrado para Espanha, em busca de melhores condições de vida, depois de ter estado quatro anos em Portugal. Um emprego na construção da linha de comboios de alta velocidade entre Córdoba e Málaga fez com que fosse viver para a pequena povoação de Herrera, nos arredores de Sevilha.

Contudo, no Algarve o pai Bori Fati não arranjou emprego e foi então que decidiu partir para Espanha, para a localidade de Herrera, na Andaluzia, onde começou a trabalhar na construção da linha de comboios de alta velocidade (AVE) que faz a ligação entre Córdoba e Málaga. O pequeno Ansu, o irmão Braima e a mulher juntou-se a ele em Espanha em 2008, numa altura em que Bori trabalhava como motorista de Juan Manuel Gordillo, autarca de Marinaleda. E é aí que começa o conto de fadas da nova estrela do Barcelona.

Numa entrevista à rádio Cadena COPE, Boris Fati admitiu que por essa altura não fazia a mínima ideia que o filho tinha tanto talento. "Sabia que ele jogava com os outros miúdos na rua, mas como trabalhava muitas horas e estava sempre fora nunca tinha visto", revelou o antigo jogador do Benfica de Bissau. "Ansu dizia-me que queria jogar futebol, até que um dia fui levá-lo à escola de futebol de Herrera e segui para o trabalho. Quando voltei a casa, por volta da meia-noite, tinha várias pessoas à minha porta, que me vieram perguntar se sabia o que tinha ali", revelou.

Real Madrid ofereceu mais, mas escolheu Barcelona

As notícias sobre o talento de Ansu correram depressa e, poucos dias depois, Pablo Blanco, diretor da formação do Sevilha, apareceu em sua casa para levar o jovem prodígio que então tinha sete anos, foi então assinado um contrato de formação. Contudo, depois apareceram emissários do Real Madrid e do Barcelona à porta de casa de Boris, em Herrera. Os merengues até ofereciam melhores condições, mas como na altura não tinha residência para os jovens jogadores no centro de estádio, em Valdebebas, e perante a insistência do Barcelona, que queria levar também o irmão Braima, cinco anos mais velho, acabou por assinar contrato com os catalães.

Assim que souberam do contrato assinado com o Barcelona, os dirigentes do Sevilha chamaram Boris para uma reunião, onde cobriram a oferta do Barcelona, mas a decisão estava tomada. Os andaluzes decidiram então não ceder o passe do jovem, que foi obrigado a estar um ano sem jogar oficialmente pelos blaugrana, jogando apenas particulares até acabar o contrato com o Sevilha.

Aos 10 anos, Ansu e a mãe mudam-se para Barcelona - o irmão Braima já estava em La Masia -, onde depressa de tornou uma das maiores promessas da academia do clube. A evolução foi tão rápida e extraordinária que aos 16 anos foi convocado pelo treinador Ernesto Valverde para o jogo com o Betis. "O Ansu telefonou-me a dizer que estava convocado, ao princípio pensava que ele estava a brincar, mas depois quando percebi que era verdade desatei a chorar, e a minha mulher também", revelou Bori à Cadena COPE, acrescentando que, no estádio, quando a família o viu entrar em campo aos 78 minutos nem queriam acreditar: "Pusemos as mãos à cabeça, estávamos nas nuvens."

Ansu Fati já leva dois golos marcados em quatro jogos pela principal equipa do Barcelona e é cada vez mais uma estrela do ataque da equipa que já conta com futebolistas como Messi, Luis Suárez, Griezmann ou Ousmane Dembélé. E não será de estranhar que em breve surja numa convocatória para a seleção espanhola, pela qual decidiu jogar, quando tinha a possibilidade de representar a Guiné-Bissau e Portugal.

Rivaldo: "É muito cedo para compará-lo com Messi"

Um pouco de todo o lado chegam elogios a Ansu Fati, sendo uma das mais fortes de Samuel Eto'o, camaronês que brilhou no Barcelona. "O futuro dele nem Deus sabe, mas é muito bom, tem muita coragem e personalidade. Espero que aproveite a oportunidade, sem pressão, porque jogar no Barça é algo único", disse recentemente.

Outra antiga estrela e atual treinador dos sub-19 dos catalães, Victor Valdés garantiu que se trata da "nova joia de La Masia", classificando-o seu jogo como "anárquico" e que por isso "precisa de liberdade para mostrar todo o seu talento natural".

Após um verão em que o tema foi o possível regresso de Neymar a Camp Nou, o surgimento de Ansu Fati pode hipotecar o regresso da estrela brasileira no futuro. É essa pelo menos a opinião de Rivaldo, antigo avançado do Barcelona e da seleção brasileira. "Se Fati continuar a jogar bem e se tornar importante na equipa, acredito que não há razões para contratar um jogador que o possa tirar da equipa", assumiu, garantindo que "ainda é muito cedo para compará-lo com Messi". E nesse sentido avisou para o perigo das comparações: "Não devemos colocar-lhe demasiada pressão nos ombros, é preciso dar-lhe tempo."

Para já, o jovem avançado tem toda a confiança do treinador Ernesto Valverde, que não hesitou em lançá-lo como titular na estreia na Liga dos Campeões, no estádio do Dortmund, que é conhecido por ter um ambiente frenético. No final, o técnico admitiu que tinha sido "um teste difícil para ele porque estava nervoso e na Champions joga-se a outro ritmo". Ainda assim, foi um enorme voto de confiança do técnico do Barcelona, que na próxima aparição na Liga dos Campeões, frente ao Inter Milão, poderá entrar para a história da competição como o mais jovem de sempre a marcar um golo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG