Alemanha a torcer por Portugal para ser cabeça de série no apuramento

Germânicos cairão para o pote 2 do sorteio da fase de qualificação do Euro 2020 se os polacos pontuarem esta terça-feira (19.45) em Guimarães diante de Portugal

Depois de um Mundial para esquecer e da despromoção à Liga B da Liga das Nações, a Alemanha despediu-se de 2018 com um empate caseiro diante da Holanda (2-2) depois de ter estado a vencer por 2-0 e estará esta terça-feira a torcer pela vitória de Portugal para não se aplicar a famosa Lei de Murphy: "Qualquer coisa que possa correr mal, vai correr mal e no pior momento possível."

Isto porque, para ser cabeça de série no sorteio da fase de qualificação do Euro 2020, que vai realizar-se no dia 2 em Dublin, os germânicos precisam que a Polónia não pontue esta terça-feira (19.45) no Estádio D. Afonso Henriques. Por outro lado, se os polacos pontuarem, serão eles a estar entre os cabeças de séries.

Além dos primeiros classificados de cada grupo da Liga A (Inglaterra, Holanda, Portugal e Suíça), também os segundos (Bélgica, França, Itália e Espanha) e os dois melhores segundos (Croácia e Alemanha ou Polónia) entram diretamente para o pote 1. Os alemães, que já realizaram os quatro jogos, somaram dois pontos e terminaram com uma diferença de golos de -4, enquanto os polacos têm um pontos, -2 em golos mas ainda um jogo por disputar.

Refira-se que, na fase de qualificação para o Euro 2020, serão distribuídas 55 seleções por 10 grupos. As duas primeiras de cada agrupamento apuram-se para a fase final, que será disputada em 12 cidades de países diferentes. Outras quatro serão apuradas tendo em conta o desempenho na Liga das Nações, por via de um playoff.

Situação atual dos potes

Pote 1: Inglaterra, Holanda, Portugal, Suíça, Bélgica, Croácia, França, Itália e Espanha;

Pote 1 ou 2: Alemanha ou Polónia;

Pote 2: Áustria, Bósnia, República Checa, Dinamarca, Islândia, Rússia, Suécia, Ucrânia e País de Gales;

Pote 3: Finlândia, Irlanda do Norte, Noruega, República da Irlanda, Sérvia, Eslováquia e Turquia;

Pote 3 ou 4: Bulgária, Hungria, Israel, Roménia e Escócia;

Pote 4: Albânia, Chipre, Estónia, Geórgia, Grécia, Lituânia, Montenegro e Eslovénia;

Pote 5: Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Gibraltar, Cazaquistão, Kosovo, Luxemburgo, Macedónia e Moldávia;

Pote 5 ou 6: Ilhas Faroé ou Malta;

Pote 6: Andorra, Letónia, Liechtenstein e São Marino.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.