Agência Mundial Antidopagem revoga acreditação do Laboratório de Lisboa

Contactado pela Agência Lusa, o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, admitiu a possibilidade de vir a recorrer da decisão da AMA.

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) anunciou hoje, em comunicado, ter revogado a acreditação do Laboratório de Lisboa devido à não conformidade com os procedimentos internacionais.

O laboratório, que já tinha sido suspenso provisoriamente em 2016, não poderá assim proceder à análise das amostras por parte de federações ou organizações desportivas que tenham assinado o Código mundial antidopagem, tendo, segundo a AMA, já sido notificado da decisão na passada segunda-feira (22 de outubro).

Contactado pela Agência Lusa, o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, admitiu a possibilidade de vir a recorrer da decisão da AMA."Estamos de alguma forma surpresos, porque fizemos tudo o que tinha de ser feito. Estamos a avaliar, diria com forte inclinação, para discutir isto ao nível do Tribunal Arbitral do Desporto, porque achamos que temos razão para contestar esta decisão da AMA", disse o governante.

No comunicado distribuído a AMA revelou estar insatisfeita com os resultados de uma inspeção realizada para "assegurar a completa fiabilidade e precisão das análises antidoping e na divulgação dos resultados".

O Laboratório de Lisboa foi suspenso em 15 de abril de 2016 por um período de seis meses, tendo essa suspensão sido mais tarde ampliada para um ano.

A AMA explica ainda que, findo esse ano e por verificar que as irregularidades detetadas se mantinham, decidiu dar início aos procedimentos para a revogação da acreditação.

No entanto, a AMA ainda deu algum tempo para que o laboratório lisboeta pudesse voltar a funcionar normalmente, mas, de acordo com o grupo especialista, o mesmo "ainda não está a funcionar ao nível exigido", tendo se decidido pela revogação.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.