A nova aventura de Rooney: jogador-treinador do Derby County

Internacional inglês vai trocar o DC United dos Estados Unidos pela II divisão inglesa. A partir de janeiro vai tornar-se jogador e adjunto de Phillip Cocu no emblema inglês.

O Derby County, clube da II Liga inglesa, anunciou esta terça-feira que chegou a acordo com o internacional inglês Wayne Rooney, jogador de 33 anos, que vai juntar-se à equipa a partir de janeiro. Além de jogador, Rooney vai integrar também a equipa técnica, recuperando a figura de treinador-jogador.

O antigo jogador de Everton e Manchester United assinou um contrato válido por uma temporada (com mais uma de opção), mas chega ao Derby County só em janeiro, depois de terminada a aventura na MLS, dos Estados Unidos, onde atualmente representa o DC United.

Além de jogador de campo, Rooney vai integrar a equipa técnica do treinador holandês Phillip Cocu, que esta temporada substituiu Frank Lampard no comando da equipa, com a saída deste para o Chelsea. "É um jogador com muito talento, um jogador de top. É muito entusiasmante poder contar com ele, pois é um jogador que pode dar muito à nossa equipa. As suas credenciais falam por si, é muito bom termos um jogador com a sua experiência e caráter a trabalhar connosco. Será muito importante para nós dentro e fora do campo", reagiu o treinador Phillip Cocu ao site oficial do Derby County.

Rooney vai recuperar desta forma em Inglaterra a figura de treinador-jogador que esteve muito em voga na Reino Unidos em finais dos 80 e inícios de 90. Kenny Dalglish, por exemplo, foi técnico e jogador do Liverpool em 1985, numa época de sucesso em que os reds foram campeões ingleses e venceram a Taça de Inglaterra. O último caso foi o de Ryan Giggs, que em 2014, ainda como jogador do Manchester United, assumiu alguns jogos como interino após a saída de David Moyes.

No final da época passada, Vincent Kompany deixou o Manchester City para iniciar também uma carreira de jogador-treinador no Anderlecht. Mas no passado não faltam casos, como Ruud Gullit no Chelsea, Glenn Hoodle no Swindon Town ou Graeme Souness no Glasgow Rangers. Em Portugal um dos casos mais famosos foi o de António Oliveira, que chegou a ser treinador-jogador do Sporting.

Como jogador, Wayne Rooney deu sobretudo nas vistas ao serviço do Manchester United, clube que representou entre 2004 e 2017 e pelo qual conquistou, entre outros títulos, uma Liga dos Campeões, uma Liga Europa, um Mundial de Clubes e cinco campeonatos ingleses.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.