À 11.ª tentativa, será esta quarta-feira que o RB Salzburgo entra Champions?

Desde que é propriedade do grupo Red Bull, em 2005, o clube austríaco já participou por dez vezes nas pré-eliminatórias da Liga dos Campeões, mas nunca conseguiu entrar na fase de grupos

Propriedade do grupo Red Bull desde 6 de abril de 2005, o clube antes conhecido como Áustria Salzburgo e Casino Salzburgo subiu de produção no campo futebolístico, tendo conquistado nove dos 12 campeonatos austríacos que contabiliza no palmarés.

Por via dessa hegemonia interna numa liga secundária no panorama europeu, o RB Salzburgo já participou dez vezes nas pré-eliminatórias da Liga dos Campeões, mas nunca conseguiu passar à fase de grupos. Entretanto, já o grupo Red Bull criou um clube na Alemanha, o RB Leipzig (2009), que na época passada acedeu à prova milionária.

No entanto, depois de ter eliminado os macedónios do Shkëndija com um agregado de 4-0 na terceira pré-eliminatória e de ter empatado a zero em Belgado diante do Estrela Vermelha na primeira mão do playoff, os austríacos poderão quebrar a maldição já esta quarta-feira (20.00), no segundo jogo da eliminatória.

O enguiço do RB Salzburgo iniciou em 2006/07, na altura com o Valência como carrasco. Na época seguinte, foi o Shakhtar Donetsk a fazer de carrasco. E em 2009/10, o Maccabi Haifa provou que o ditado que está certo é "não há duas sem três" e não "à terceira é que é de vez". Seguiram-se Hapoel Telavive (2010/11), Dudelange (2012/13), Fenerbahçe (2013/14), Malmoe (2014/15 e 2015/16), Dínamo Zagreb (2016/17) e Rijeka (2017/18) a colocarem um travão nas aspirações dos austríacos.

A maldição é tal que, diante do Valencia (1-0), Shakhtar Donetsk (1-0) e Malmoe (2-1 e 2-0), nem as vitórias caseiras na primeira mão evitaram as constantes eliminações dos Die Roten Bullen [touros vermelhos].

Antes da era Red Bull, o então Casino Salzburgo participou na fase de grupos da Liga dos Campeões em 1994/95, tendo ficado em 3.º lugar, atrás das duas equipas que viriam a ser finalistas, Ajax (campeão) e AC Milan (finalista vencido); e à frente do AEK Atenas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG