O senhor 'triplo-duplo' fê-lo outra vez: Westbrook termina fase regular em alta

Base dos Oklahoma City Thunder é o primeiro jogador a terminar a época regular da NBA com média de 'triplo-duplo' por dois anos consecutivos.

Russell Westbrook, base dos Oklahoma City Thunder, tornou-se na quarta-feira o primeiro jogador da história da liga norte-americana de basquetebol (NBA) a acabar duas vezes a época regular com média de 'triplo duplo', repetindo 2016/17.

Westbrook entrou para a derradeira partida, frente ao Memphis Grizzlies, a precisar de 'apenas' 16 ressaltos para repetir o feito da época passada - antes deles, só Oscar Robertson acabara a fase regular com média de 'triplo-duplo' (em 1961/62). E conseguiu-o ainda no terceiro período do jogo.

Assim, o '0' dos Oklahoma City Thunder terminou com médias de 25,4 pontos, 10,3 assistências e 10,1 ressaltos, em 80 encontros, contribuindo decisivamente para o apuramento da equipa para os 'play-offs', com 48 triunfos e 34 desaires.

A equipa da casa triunfou por 137-123 e Westbrook fechou o encontro com 20 ressaltos (recorde de carreira), 19 assistências e seis pontos -- dois em nove nos 'tiros' de campo. Em matéria de pontos, lideraram Paul George, com 40, e Steven Adams, com 24.

Na época passada, Russell Westbrook fechou a época regular com 31,6 pontos (melhor marcador da competição), 10,7 ressaltos e 10,4 assistências, em 81 encontros, registo que lhe valeu o prémio de 'Jogador Mais Valioso' (MVP).

Antes de Westbrook, o senhor 'triplo-duplo', apenas um jogador termnara a 'regular season' da NBA com três dados estatísticos na casa das dezenas: foi Oscar Roberson, o 'Big O', que em 1961/62 registou 30,8 pontos, 12,5 ressaltos e 11,4 assistências.

Há 56 anos, Oscar Robertson, que atuava nos Cincinnati Royals, também foi eleito o MVP, pelo que Westbrook é de novo forte candidato ao título de jogador mais valioso da fase regular, sendo que James Harden (Hoston Rockets), segundo em 2016/17, é de novo o seu principal adversário.

Harden conduziu os Rockets ao melhor registo da época regular, que lhe confere vantagem casa em todas as eliminatórias dos 'play-offs', sendo o melhor marcador da prova e o único com média de pontos superior a 30.

Com o final da fase regular, ficou também definido o emparelhamento dos play-off, que se iniciam no sábado, 14. A Oeste, há os confrontos Houston Rockets (1.º)-Minnesota Timberwolves (8.º), Golden State Warriors (2.º)-San Antonio Spurs (7.º), Portland TrailBlazzers (3.º)-New Orleans Pelicans (6.º) e Oklahoma City Thunder (4.º)-Utah Jazz (5.º). A Este, esperam-se os duelos Toronto Raptors (1.º)-Washington Wizards (8.º), Boston Celtics (2.º)-Milwaukee Bucks (7.º), Philadelphia 76ers (3.º)-Miami Heat (6.º) e Cleveland Cavaliers (4.º)-Indiana Pacers (5.º).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.