Vieira nega corrupção e fala em campanha dos rivais para evitar conquista do penta

Benfica e Rio Ave desconhecem qualquer investigação da PJ ao jogo da temporada 2015-16. RTP fala em cinco partidas sob suspeita.

O Benfica e Luís Filipe Vieira reagiram ontem às notícias sobre a alegada manipulação do resultado do jogo com o Rio Ave na época 2015--16, que estará a ser investigado pela Polícia Judiciária (PJ), após denúncia anónima. Num comunicado, o clube diz desconhecer "totalmente a existência deste processo", nega "qualquer envolvimento nesta situação" e garante que "todos os responsáveis pela promoção e divulgação desta calúnia serão responsabilizados criminalmente". Já Vieira garantiu que "nunca ninguém do Benfica comprou qualquer árbitro ou jogador de uma equipa adversária, ou em qualquer circunstância procurou manipular a verdade desportiva".

Para o presidente dos encarnados, que emitiu uma nota no site oficial do clube, "o que verdadeiramente está em causa em toda esta campanha negativa montada pelos rivais é evitar a todo o custo que o Benfica conquiste o penta, porque, em desespero, necessitam de apresentar resultados para a sua própria sobrevivência".

Na mensagem dirigida aos sócios e adeptos, Vieira garante que "a cultura" do Benfica "é incompatível com a corrupção", e afirma que "toda a nação benfiquista vai ser chamada para tomar nas suas mãos o ataque a esta vil e falsa campanha", reafirmando "a confiança de que a justiça saberá repor a verdade dos factos".

A notícia rebentou na noite de quinta-feira, a seguir ao empate (2-2) entre o V. Setúbal e o Rio Ave, da Taça da Liga. De acordo com o Correio da Manhã e a CMTV, a investigação da PJ do Porto aponta para pagamentos a quatro jogadores do Rio Ave para perderem o jogo. A mesma notícia dava conta de que os atletas teriam sido abordados por empresários ligados ao Benfica. A partida terminou com o triunfo do Benfica, por 0-1, no jogo referente à jornada 31 do campeonato de 2015-16.

Em comunicado, o Benfica defende que "basta uma investigação mais cuidada para se provar a falsidade desta denúncia". "Tendo em conta que, dos quatro jogadores invocados, um encontrava-se em Espanha, outro não foi convocado (estava castigado por acumulação de cartões amarelos) e os outros dois foram curiosamente apontados pela generalidade da crítica como dos melhores em campo por parte do Rio Ave."

Esperando que "as autoridades e a justiça desenvolvam o seu trabalho para o rápido e cabal esclarecimento de mais esta manipulação", o clube da Luz entende que "esta notícia insere-se numa vasta campanha montada de forma a levantar suspeitas, denegrir a imagem do Benfica e o mérito das suas vitórias desportivas, de uma forma até um pouco tosca, em que os próprios factos e envolvidos são criados mesmo que nem estivessem a jogar nos clubes adversários e essas histórias antecipadas nas redes sociais associadas a clubes rivais, provando a origem destas denúncias anónimas".

Ausente no estrangeiro com a família, o líder do clube da Luz prometeu em breve "falar de viva voz a todos os benfiquistas."

Rio Ave diz basta

O Rio Ave também reagiu. O clube diz "desconhecer a existência ou a essência do processo em causa, estando alheio a qualquer investigação". "De uma vez por todas, dizemos basta a este ataque torpe e vil, absolutamente carente de fundamento [...] O Rio Ave irá agir judicialmente contra todos aqueles que, pelos assuntos à data e no futuro, veiculam insinuações baseadas em dados falsos, difamatórios e atentatórios ao bom nome e honra dos atletas e da Instituição", acusa o clube.

Segundo avançou ontem a RTP, a PJ estará a investigar o título do Benfica em 2015-16, por suspeitas de corrupção. Ainda de acordo com o canal estatal, a investigação incide sobre cinco jogos dessa época. Este processo, ainda segundo a RTP, terá nascido das investigações ao jogo Feirense-Rio Ave, da época passada, e que levou à constituição de quatro arguidos - os jogadores do Rio Ave Cássio, Marcelo, Nadjak e Roderick - no âmbito da investigação sobre eventual viciação do resultado para efeitos de apostas.

Liga confia nos clubes

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) também reagiu ontem às suspeitas de manipulação do resultado do Rio Ave-Benfica, assumindo confiança nos dois clubes. "Este e qualquer processo judicial está em segredo de justiça, o que leva a LPFP a ter de aguardar pelo desenrolar e conclusão do mesmo. Por este motivo, e como é óbvio, a LPFP não se intromete e aguarda que tanto os órgãos de polícia criminal como os da disciplina desportiva atuem e decidam, colocando-se à disposição para eventuais esclarecimentos ou ajudas que os mesmos entendam ser necessários", lê-se no comunicado emitido hoje pelo organismo.

"Por último, a LPFP reitera total confiança nas instituições e nas sociedades desportivas, nomeadamente no Rio Ave FC e neste caso também no SL Benfica, sempre consciente de que a integridade é um dos valores fundamentais para as competições profissionais. E da qual não abdicará", podia ler-se ainda no mesmo comunicado.

Este caso mereceu ainda reações nas redes sociais dos diretores de comunicação do FC Porto e do Sporting. Francisco J. Marques recordou um comentário que já tinha feito sobre o caso dos e-mails e escreveu: "O melhor estava para vir..." Nuno Saraiva, dos leões, deixou também um curto comentário: "Vai uma aposta em como o lado negro da época 2015-16 ainda não viu totalmente a luz?"

Bruno de Carvalho, na sua página do Facebook, também fez uma referência ao assunto: "Aqui o "rapaz" e "passarinho" sabia do que andava a falar. Hei de defender o Sporting até à morte! Doa a quem doer! Vouchers, e-mails, jogos para perder... É só gente séria! E o burro sou eu?"

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.