Vela radical. Equipa portuguesa vira o barco em Sydney

Ainda não tinha acontecido nesta época, a primeira do campeonato Extreme Sailing Series com catamarãs voadores. Duas equipas capotaram na mesma regata - e uma delas foi a portuguesa.

O primeiro dia do último circuito do campeonato Extreme Sailing Series, em Sydney, Austrália, ficou marcado por dois espectaculares capotanços. Na mesma regata, a terceira do dia, virou a equipa portuguesa "Visit Madeira" e a britânica Land Rover BAR. Nada de parecido tinha ainda acontecido esta época - mas os conhecedores do circuito sabem que em Sydney é tudo menos surpreendente.

Nenhum tripulante se magoou e os barcos velejavam na altura sem convidados a bordo. Ventos fortes (com rajadas ocasionais acima dos 30 nós) motivaram ambos os acidentes. O diretor da prova, Phil Lawrence, decidiu fechar por ali o dia de regatas. Às 13h30 de sexta-feira (hora de Sydney, 2.30 da madrugada em Lisboa) recomeçam, no segundo de quatro dias do circuito.

Diogo Cayolla, o skipper da equipa lusa, explicou que o barco virou devidamente a uma guinada súbita para evitar uma rajada de vento demasiado forte. Desdramatizando, salientou que os velejadores estão bem e que o próprio barco não sofreu danos, estando pronto para voltar à competição. Até ao acidente tudo corria bem, as tripulações deliciavam-se com os ventos fortes que sopravam. "Foi muito divertido estar ali", disse o velejador português.

Nas duas regatas anteriores, o "Visit Madeira" tinha feito um quinto lugar e um terceiro. Já o Land Rover BAR tinha feito um quarto e um segundo lugar.

Sydney é o oitavo e último circuito de um campeonato mundial que passou duas vezes por Portugal (uma na Madeira e outra em Lisboa). No topo da classificação, a guerra está ao rubro já que o Oman Air tem uma vantagem de apenas dois pontos sobre o Alinghi. As três primeiras regatas disputadas ontem foram ganhas por três equipas diferentes: as duas que disputam a vitória no campeonato e a Red Bull Sailing Team (que vai em terceiro na classificação geral do campeonato).

Classificação provisória em Sydney (com 3 regatas disputadas)

1º Alinghi - 34 pts

2º Oman Air - 31

3º Red Bull - 29

4º SAP Extreme - 23

5º RNZYS Lautrec Racing - 20

6º Land Rover BAR - 20 (*)

7º Visit Madeira - 18 (*)

8º Team Australia - 17

(*) - Só completaram duas regatas

Classificação geral (sem os pontos de Sydney)

1º Oman Air - 79 pts

2º Alinghi - 77

3º Red Bull - 73

4º SAP Extreme - 61

5º Land Rover BAR - 54

6º Visit Madeira - 49

7º China One - 29

8º Team Turx - 11

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.