Um país chocado que vai dar o máximo contra Portugal

Selecionador belga lembrou recentes atentados em Bruxelas

O selecionador belga, Marc Wilmots, assumiu esta segunda-feira o choque de todo o país com os atentados de Bruxelas, mas prometeu uma Bélgica a jogar o melhor na terça-feira, frente a Portugal, em jogo particular de futebol.

"O nosso país está chocado, mas vamos ter os nossos rapazes a jogar o máximo para fazermos um grande jogo com Portugal", disse hoje Marc Wilmots, na véspera do encontro, que estava inicialmente previsto para Bruxelas e foi transferido para Leiria na sequência dos atentados registados na terça-feira passada na capital belga.

O selecionador admitiu que a Bélgica está "em choque emocional" devido aos ataques que provocaram pelos 35 mortos e 340 feridos, segundo o balanço mais recente. "Morreram pessoas que nada têm a ver com a situação, no nosso aeroporto, no nosso país. Impressionou-nos muito. Mas a vida continua. Vamos olhar em frente, não vamos desistir. Esta é a mensagem mais importante", sublinhou.

Segundo Marc Wilmots, a Bélgica preparou-se para o particular com Portugal "como para qualquer outro jogo, desde há quatro anos para cá", mas avançou que a equipa nacional jogará em Leiria com uma mensagem especial nos equipamentos.

"A coesão do grupo está excelente", garante o selecionador, minimizando algumas ausências importantes, como Eden Hazard, Kompany, De Bruyne, Carrasco, Benteke e Origi. "Faltam-nos alguns jogadores e estamos mais limitados do que Portugal. Mas temos outras soluções. Isso não é desculpa para não fazermos um bom jogo", considerou.

Wilmots falou ainda das possibilidades de Portugal e da Bélgica no Europeu de 2016, em França, considerando que são "exatamente as mesmas".

"São duas boas equipas, do topo mundial e um torneio é um torneio. Tudo depende da forma das equipas. Portugal, de certeza, estará entre os favoritos", frisou o antigo internacional belga.

O selecionador fez ainda questão de falar de Cristiano Ronaldo, destacando o 'capitão' da seleção portuguesa como "um profissional extraordinário".

"É o melhor do mundo. Marca 46 golos por época e tem grande regularidade. Só lhe falta um título na seleção. Temos de respeitar muito um jogador com a longevidade e o rendimento dele", concluiu.

O médio Axel Witsel, atualmente ao serviço do Zenit depois de ter representado o Benfica, lamentou o facto do jogo entre as duas seleções não ser disputado em Bruxelas.

"O que se passou lá foi muito difícil... Queríamos jogar lá, mas não é possível. Vamos tentar fazer um bom jogo para representar condignamente o nosso país. Foi muito chocante. Temos de estar muito unidos e ter muita coragem", disse.

O médio belga salientou ainda a valia de Portugal, "uma das grandes seleções mundiais", que "tem Danny, Quaresma e Nani", além de Cristiano Ronaldo, "o mais perigoso, que pode fazer a diferença a qualquer momento. Não há tática nenhuma especial para o travar".

Witsel comentou ainda o lançamento de Renato Sanches como internacional português no meio-campo: "Tem uma evolução muito grande e muita qualidade, mas ainda é novo. Penso que, se continuar a jogar assim, daqui a um ano ou dois pode conseguir a transferência para um grande clube".

As seleções de Portugal e da Bélgica defrontam-se no Estádio Municipal de Leiria, terça-feira, 29 de março, a partir das 19:45, em jogo de preparação para o Euro2016.

Exclusivos