Troca futebol americano pelo râguebi para poder ir ao Rio

Nate Ebner foi atrás do seu sonho olímpico. Fez pausa na carreira para treinar com a seleção de sevens e tentar um lugar nos Jogos

Nate Ebner notabilizou-se ao serviço dos New England Patriots, tendo sido já campeão da National Football League (liga de futebol americano). No entanto, o jogador de 27 anos nunca escondeu o seu amor pelo râguebi e o sonho de estar presente nuns Jogos Olímpicos. Nesse sentido, pediu autorização ao seu clube para interromper a carreira na liga norte-americana e tentar disputar um lugar na seleção de sevens dos EUA que marcará presença no Rio de Janeiro, no próximo mês de agosto.

O atleta chegou a ser campeão universitário de râguebi e foi mesmo o atleta mais jovem de sempre nos EUA a defender a seleção principal de râguebi, com apenas 17 anos, tendo disputado também os Mundiais de sub-19 e sub-20 em 2007 e 2008, respetivamente, onde foi eleito o melhor jogador.
Foi, aliás, o seu talento no râguebi que despertou a atenção dos clubes da NFL. E, perante o maior poderio financeiro desta popular liga profissional, Nate Ebner acabou por tomar a decisão de enveredar então pelo futebol americano.

Existem várias diferenças entre as duas modalidades, sobretudo do ponto de vista ofensivo, mas a verdade é que o trabalho defensivo é muito semelhante. E Ebner joga na defesa, pelo que a transição entre os dois campos (de râguebi e de futebol americano) é mais facilitada.
Aliás, depois de chegar aos Patriots, Ebner foi eleito para os specials, tendo um papel algo restrito durante o jogo. Ou seja, tem como função derrubar os principais jogadores adversários em situações específicas, de forma a evitar que estes realizem os ensaios. Por isso, verdade seja dita, Nate Ebner não é propriamente uma estrela dos Patriots, como o colega Tom Brady, apesar de já ter sido campeão há dois anos, tendo realizado 57 jogos e 50 tackles em quatro temporadas.

Agora segue-se um curto regresso ao râguebi, mas a verdade é que o jogador terá ainda de conquistar um lugar entre os convocados da seleção, apesar do seu histórico universitário. "Antes de tudo, quero agradecer aos Patriots por permitirem que me junte à equipa. Também quero agradecer à federação de râguebi por me dar a oportunidade de realizar um sonho de criança, num desporto pelo qual sempre fui apaixonado. Sei, no entanto, que não tenho nada garantido. Tenho de prestar provas para a equipa como qualquer outro jogador e tenho de merecer um lugar para poder ir ao Rio de Janeiro. Por enquanto, só tenho a sorte de poder lutar por um lugar", referiu Nate Ebner na última terça-feira, durante uma conferência de imprensa, revelando depois que após os Jogos Olímpicos, ou se não entrar na lista final par ao Rio, regressará aos Patriots.

Elogios do selecionador

"Sei que o râguebi é uma paixão, mas ainda esta semana renovei o meu contrato com a equipa por mais quatro temporadas e é aqui que quero estar depois de agosto. Tenho de agradecer à equipa por esta oportunidade no râguebi, mas o meu lugar agora é na NFL. O futebol americano tornou-se também parte da minha vida quando fui escolhido no draft. Iniciei-me no râguebi, mas descobri outras coisas no futebol americano", salientou o atleta.

Quem também revelou o seu entusiasmo com a possibilidade do defesa de Ohio marcar presença nos Jogos Olímpicos do próximo verão foi o selecionador de râguebi Mike Friday, que elogiou o jogador dos Patriots. "Estamos empolgados com o facto de Nate ingressar no nosso programa olímpico e treinar com a nossa equipa. Há muito que sabemos do seu histórico ao serviço do râguebi no colégio, na universidade e também nas seleções e é também por isso que tem a oportunidade de competir e tentar um lugar no grupo atual. Ele está em grande forma e estaremos aptos a colocá-lo em excelentes condições nas próximas semanas de forma a estar ainda mais familiarizado com a modalidade", salientou o selecionador olímpico dos Estados Unidos.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.