"Temos plantel para lutar até ao fim por todas as provas nacionais"

O voleibol está de volta ao Sporting, 22 anos depois. Miguel Maia é o principal rosto deste regresso, ele que fazia parte da última equipa dos leões campeã nacional da modalidade, em 1993/94. Aos 46 anos, o melhor voleibolista português de todos os tempos continua a jogar e será o capitão de uma equipa que entrou diretamente para a primeira divisão. O objetivo assumido é ganhar já na época de estreia.

Como se processou este regresso ao Sporting? Foi fácil de ser convencido?
Sim, muito fácil. Pode dizer-se que foi um regresso natural, perante a apresentação de um bom projeto. Sou do Sporting Clube de Portugal e é um clube onde já fui muito feliz, portanto, com a modalidade de volta ao clube, fazia todo o sentido regressar.


Foi o presidente Bruno de Carvalho que falou diretamente consigo. Respondeu logo que sim?
Sim, nem pensei duas vezes. Perante o projeto que me apresentou, e sendo eu do Sporting, não podia dizer que não.


Como está a ser este regresso? Encontrou um Sporting muito diferente daquele que abandonou, presumo. Quais as principais diferenças?
Este Sporting é um clube completamente diferente daquele que eu encontrei quando cá joguei no passado. Todos os departamentos funcionam com bastante profissionalismo, o presidente e a restante direção estão muito mais presentes, tem melhores instalações e neste momento respira saúde e dinamismo. É claramente mais organizado.


Para além de jogador e capitão, tem também um papel ativo na preparação da próxima época....
Sim, estou ligado a este processo, até porque faço parte dele desde o início. A constituição de um plantel todo novo e com restrições por causa da entrada direta na A1 não foi fácil, mas penso que foi construído um plantel para dar resposta às exigências da nova época.


O Sporting tem contratado jogadores de excelente currículo. Pensa que a equipa vai estar em condições de lutar pelo título já neste primeiro ano?
O Sporting, como sempre faz, procura ter os melhores atletas nas suas equipas e, a meu ver, conseguiu trazer bons jogadores para formar a nova equipa de voleibol. Iremos ter um plantel alargado, com um misto de experiência e juventude, mas claramente uma equipa com capacidade de resposta elevada. Será necessário dar tempo ao tempo, mas a meu ver temos plantel para lutar até ao fim por todas as provas nacionais. Acho que vamos ter um bom campeonato, com equipas fortes, nomeadamente Sporting, Benfica, Bastardo, Espinho e Castelo.


Curiosamente, o regresso do voleibol coincide com o ano da inauguração do pavilhão. Isso serve como fator de motivação? O que acha do novo pavilhão?
A equipa sente a responsabilidade do retorno da modalidade ao clube, bem como de fazer boas exibições no nosso novo pavilhão. Estamos preparados e super motivados para dar muitas alegrias aos nossos adeptos. Estive na inauguração do pavilhão e é o mais bonito onde já entrei. É lindíssimo e vai criar ambientes fantásticos. Vai ser a nossa fortaleza. Com a ajuda dos nossos adeptos, será muito difícil vencerem-nos.


O Miguel Maia ainda vai ser uma peça essencial na equipa?
Serei o mesmo jogador de sempre. Irei dar tudo pelo meu clube e ajudar com a minha experiência em tudo o que seja necessário.

Qual o segredo para conseguir continua a conseguir jogar ao mais alto nível e até quando pretende jogar?
Estou a colher tudo o que fiz na minha carreira. Sempre treinei bem, sempre me cuidei e sempre levei muito a sério a minha profissão. Vou jogar enquanto sentir paixão por aquilo que faço.


Acha que um dia será possível cumprir o sonho de jogar com o seu filho no Sporting [tem 14 anos e joga na Académica de Espinho]?
Não sei. Neste momento ele está num processo de aprendizagem, mas não estaria a ser sério se não dissesse que gostava de ver o meu filho com a camisola do Sporting.


Pensa que este regresso do Sporting irá contribuir para que o voleibol recupere algum mediatismo?
É óbvio que o aparecimento do Sporting vai mexer com tudo. Muito mais mediatismo, mais um canal televisivo a dar jogos, mais atletas estrangeiros. Vai ser muito positivo para a modalidade.


Quantos jogadores tem o Sporting? Ainda vai haver mais contratações?
O plantel para esta época está fechado e, como já referi, é suficiente para atacar todas as competições nacionais.


O Sporting vai treinar-se em Fiães e só virá para Lisboa nas vésperas dos jogos. É uma situação um pouco peculiar. O que pensa disto, quais as vantagens e desvantagens?
Peculiar? Por acaso não acho. O Sporting é um clube gigante com adeptos em todo o Mundo e, assim sendo, pode treinar-se onde quiser ou tiver melhores condições, porque vai ter sempre milhares de adeptos por perto. Não podemos dizer que somos 3,5 milhões e depois fecharmo-nos em Lisboa. O Sporting tem 54 modalidades e todas a treinar em muitos locais diferentes. O futebol não treina em Alcochete? O FC Porto não treina no Olival? O Benfica não treina no Seixal? Onde treina o Milan? O Real? Vamos estar sempre em casa porque temos milhares de pessoas em todo o mundo a dar-nos apoio. Nos nossos jogos como anfitriões estaremos em casa, com muito orgulho, para treinar no dia anterior e no próprio dia do jogo, de manhã, e para jogar perante os nossos sócios e adeptos, que são os melhores do mundo.


O que acha das vozes que defendem não ser justo o Sporting regressar diretamente para o escalão principal?
Respeito as opiniões, mas as pessoas que falam não sabem as regras e não conhecem o que acontece, por exemplo, no país que foi campeão olímpico (Brasil). Existem regras há muitos anos e vários clubes apareceram a cumprir essas mesmas regras, mas só agora se preocupam, por ser o Sporting. Devia estar toda a gente contente por este novo aparecimento.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG