Telma Monteiro eliminada. "Se eu quiser ir a Paris2024, eu vou"

A judoca portuguesa Telma Monteiro, hoje eliminada na segunda ronda de -57 kg de Tóquio2020, reforçou que se "quiser ir a Paris2024", no que seriam os seus sextos Jogos Olímpicos, pode consegui-lo, mas quer fazê-lo em alto nível.

A judoca portuguesa Telma Monteiro, eliminada esta segunda-feira nos -57 kg de Tóquio2020, admitiu estar "muito triste" com a derrota na segunda ronda, porque queria "avançar mais", mas sente que deu "tudo o que tinha" para seguir em frente.

A mais medalhada judoca portuguesa de sempre, bronze nos Jogos do Rio2016, teve uma saída amarga dos seus quintos Jogos Olímpicos, após um combate de enorme desgaste físico na categoria de -57 kg diante da polaca Julia Kowalczyk.

A judoca lusa, de 35 anos, competia nos seus quintos Jogos Olímpicos e em Tóquio2020 repete a classificação de Pequim2008, com um nono lugar, resultante de uma vitória e uma derrota na competição, depois de bater a costa-marfinense Zouleiha Abzetta Dabonne na primeira ronda.

"Sinto-me muito triste, porque queria avançar mais na competição. É uma sensação diferente de frustrada e desiludida, porque sinto que dei tudo o que tinha. Saí exausta, lutei os 10 minutos para ganhar e por isso fico triste de não ter conseguido. O meu objetivo era chegar mais à frente", declarou, na zona mista do Nippon Budokan.

"Vim como cabeça de série e não era por acaso, não era por acaso ter a ambição de chegar ao pódio ou fazer melhor do que no Rio2016. Não mudava nada. Foi um último ano muito difícil, como para toda a gente, fui campeã da Europa, pontuei no Masters, e evoluí muito até aqui", recordou.

Continuando a retrospetiva, deu-se conta que deu "a volta ao ciclo olímpico" e chegou numa forma em que "talvez ninguém esperasse". "Há quatro anos, ninguém dizia que chegava aqui como cabeça de série", atirou.

"Se eu quiser ir a Paris2024, eu vou"

A judoca lusa competia nos seus quintos Jogos Olímpicos e em Tóquio2020 repete a classificação de Pequim2008, com um nono lugar, resultante de uma vitória e uma derrota na competição, depois de bater a costa-marfinense Zouleiha Abzetta Dabonne na primeira ronda.

"O mais importante é descansar. Não sei o que vai ser o futuro, mas se eu quiser ir a Paris, eu vou. Disso tenho a certeza", atirou, na zona mista do Nippon Budokan.

Tendo isso em conta, e focando como principal a possibilidade de descansar, até porque "tomar alguma decisão agora seria errado", a judoca de 35 anos admitiu que já faz "judo ao mais alto nível há muito tempo, e muito bem", e tem de pesar várias coisas.

"Para Paris, será um apuramento olímpico muito exigente e eu não consigo pensar em chegar a um nível mais ou menos. O nível de exigência que tenho é que decide. Não quero ser uma atleta de alta competição mais ou menos. Quero pensar que posso ganhar sempre. Tenho de estar disponível para treinar a um nível que me permita pensar que eu posso ganhar sempre", resumiu.

Até Tóquio2020, "o ciclo foi muito exigente", sobretudo por várias lesões que sofreu, uma intervenção cirúrgica logo após o bronze no Rio2016, e "problemas nas costas".

"Foram dois anos a correr atrás das lesões. [...] Preciso mesmo de descansar, física e psicologicamente", desabafou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG