Suárez volta à seleção celeste para dar empate no Brasil

Avançado do Barcelona marcou o 2-2 final, no regresso após nove jogos de castigo por ter mordido Chiellini no Mundial 2014

O avançado Luis Suárez regressou à seleção do Uruguai na sexta-feira para dar à 'celeste' o empate 2-2 no Brasil, na quinta jornada da qualificação sul-americana para o Mundial de futebol de 2018.

Sem disputar um jogo oficial pela equipa nacional desde a dentada em Chiellini, no Uruguai-Itália do Mundial de 2014, disputado em Natal, no Brasil, Suárez reapareceu a menos de 300 km para marcar o golo que deu um ponto aos uruguaios.

Com o Coates (Sporting) no eixo defensivo e sem o castigado Maxi Pereira (FC Porto), o Uruguai manteve o segundo lugar, com 10 pontos, menos três do que o Equador, que também empatara na véspera com o Paraguai (2-2), enquanto o Brasil soma oito, tal como os paraguaios e a Argentina, vencedora perante Chile (2-1).

O avançado do FC Barcelona fez o 2-2 aos 48 minutos, após um início explosivo da 'canarinha', que aos 25 minutos já vencia por 2-0 e que depois se deixou dominar pela equipa visitante.

Com Jonas (Benfica) no banco, bastaram 40 segundos de jogo e 11 toques de bola para o Brasil fazer o primeiro golo, por Douglas Costa, enquanto Renato Augusto fez o segundo, após uma boa abertura de Neymar.

Tudo parecia bem encaminhado, mas a equipa anfitriã abrandou o ritmo e consentiu o empate a Cavani pouco depois (31). No segundo tempo, na sua primeira ocasião de golo, Suárez não perdoou, batendo Alisson com um tiro cruzado de esquerda, e ainda viu o guardião brasileiro negar-lhe o tento da vitória aos 86 minutos.

Na próxima ronda, na terça-feira, o Uruguai recebe o Peru (8.º, 4 pontos), enquanto o Brasil visita o Paraguai sem Neymar, devido ao cartão amarelo visto neste jogo, e a Argentina joga em casa com a Bolívia (9.º, 3). A um ponto dos lugares de qualificação, a Colômbia (7.º) recebe o líder Equador e o Chile (6.º) visita a Venezuela, última classificada.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.