Sporting reage e exige tratamento igual ao do FC Porto

Sporting considera que a participação disciplinar do FC Porto é "despropositada e infundamentada" e quer tratamento igual ao dos dragões na ação judicial intentada em 2011.

O Sporting reagiu, através de um comunicado publicado no seu sítio oficial, à intenção do FC Porto em avançar com uma participação disciplinar contra os leões, junto da Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga, por "violência moral" e coação sobre os agentes desportivos. No entender da SAD leonina, o Sporting nada tem a temer.

"A Sporting SAD limitou-se a dar instruções aos seus serviços jurídicos para procederem litigiosamente, em sede própria, contra todos os responsáveis pelas arbitragens que conduziram no ano passado a que o Sporting ficasse fora das competições europeias e que este ano são responsáveis pela retirada de, pelo menos, 7 pontos no Campeonato Nacional", justificam os leões, alegando que o "recurso à lei e a meios judiciais para defesa dos direitos e interesses de um clube ou sociedade desportiva corresponde a um exercício legítimo de um direito".

O clube presidido por Bruno de Carvalho recordou, ainda, que "a FC Porto SAD intentou no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, em Abril de 2011, uma acção judicial contra a LPFP e, individualmente, contra os Drs. Ricardo Costa, Jacinto Meca, Jorge Santos, Armando Russo Valente e José Manuel Araújo, à data membros da Comissão Disciplinar da LPFP, no âmbito da qual demanda o pagamento de uma indemnização de euro 7,9 milhões de euros, pelo facto de terem sido proferidas decisões disciplinares desfavoráveis à FC Porto SAD e a seus jogadores".

"Em causa estão dois processos disciplinares de corrupção, em que a FC Porto SAD foi condenado, em Maio de 2008, por tentativa de corrupção de árbitros com a perda de 6 pontos e o seu Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa com 2 anos de suspensão das funções desportivas, bem como um processo disciplinar em que foram condenados, em Fevereiro de 2010, por agressões físicas a "assistentes de recinto desportivo" ("stewards") os jogadores Hulk e Sapunaru", recordam os leões, em comunicado, frisando que "o processo judicial referido no número anterior não foi, em momento algum e por qualquer forma, sindicado quer LPFP, quer pela Federação Portuguesa de Futebol, quer pela UEFA ou pela FIFA, e, concretamente, nenhuma destas entidades considerou o mesmo ilegítimo, nem, directa ou indirectamente, como uma forma de condicionamento, violência moral ou coação".

Posto isto, o Sporting reclama "o princípio de igualdade de tratamento aplicável a todos os Clubes e sociedade desportivas pelas referidas entidades, LPFP, FPF, UEFA e FIFA", garantindo que não tem "receio de qualquer iniciativa passada ou futura que venha a tomar neste âmbito". O clube de Alvalade termina com a garantia de que "nada do que foi dito ou que venha ser feito desviará a Sporting SAD do importante caminho que já iniciou no sentido da reforma do futebol português e da verdade desportiva".

Eis o comunicado publicado no sítio oficial do Sporting:

"No seguimento da tomada de posição da FC Porto SAD, tornada pública em comunicado de ontem, e das diversas notícias que tem vindo a ser veiculadas durante o dia de hoje, vem a Sporting SAD tecer os seguintes comentários:

1. A Sporting SAD não se revê nas acusações de condicionamento e violência moral que a FC Porto SAD lhe dirige no referido comunicado, estando tranquila quanto a uma eventual participação disciplinar a este propósito;

2. A Sporting SAD limitou-se a dar instruções aos seus serviços jurídicos para procederem litigiosamente, em sede própria, contra todos os responsáveis pelas arbitragens que conduziram no ano passado a que o Sporting ficasse fora das competições europeias e que este ano são responsáveis pela retirada de, pelo menos, 7 pontos no Campeonato Nacional, solicitando que sejam intentadas, nos termos da Lei, todas as acções admissíveis exigindo as compensações devidas a todos os organismos com responsabilidades nas situações verificadas, seja por intervenção directa em matéria de arbitragem, seja por omissões de tutela;

3. O recurso à lei e a meios judiciais para defesa dos direitos e interesses de um clube ou sociedade desportiva corresponde a um exercício legítimo de um direito e não é sequer a primeira vez que sucede na ordem jurídica portuguesa;

4. Com efeito, recordamos que a FC Porto SAD intentou no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, em Abril de 2011, uma acção judicial contra a LPFP e, individualmente, contra os Drs. Ricardo Costa, Jacinto Meca, Jorge Santos, Armando Russo Valente e José Manuel Araújo, à data membros da Comissão Disciplinar da LPFP, no âmbito da qual demanda o pagamento de uma indemnização de euro 7,9 milhões de euros, pelo facto de terem sido proferidas decisões disciplinares desfavoráveis à FC Porto SAD e a seus jogadores. Em causa estão dois processos disciplinares de corrupção, em que a FC Porto SAD foi condenado, em Maio de 2008, por tentativa de corrupção de árbitros com a perda de 6 pontos e o seu Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa com 2 anos de suspensão das funções desportivas, bem como um processo disciplinar em que foram condenados, em Fevereiro de 2010, por agressões físicas a "assistentes de recinto desportivo" ("stewards") os jogadores Hulk e Sapunaru;

5. O processo judicial referido no número anterior não foi, em momento algum e por qualquer forma, sindicado quer LPFP, quer pela Federação Portuguesa de Futebol, quer pela UEFA ou pela FIFA, e, concretamente, nenhuma destas entidades considerou o mesmo ilegítimo, nem, directa ou indirectamente, como uma forma de condicionamento, violência moral ou coação;

6. Por esta razão e atento o princípio de igualdade de tratamento aplicável a todos os Clubes e sociedade desportivas pelas referidas entidades, LPFP, FPF, UEFA e FIFA, a Sporting SAD não tem receio de qualquer iniciativa passada ou futura que venha a tomar neste âmbito;

7. Por todo o exposto, sublinhamos o nosso entendimento de que o teor e acusações vertidas no comunicado de ontem é despropositado e infundamentado, bem como a ameaça de participação disciplinar contra a Sporting SAD; contudo nada do que foi dito ou que venha ser feito desviará a Sporting SAD do importante caminho que já iniciou no sentido da reforma do futebol português e da verdade desportiva.

O Conselho de Administração

Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD"

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG