Sporting perde no recurso do caso Doyen e tem de pagar mais de 20 milhões

Supremo Tribunal da Suíça confirmou a sentença do TAS, que condena o Sporting a pagar mais de 20 milhões de euros

O Supremo Tribunal da Suíça deu razão ao fundo Doyen Sports e confirmou a sentença do Tribunal Arbitral do Desporto, que condena o Sporting a pagar 12 milhões de euros, acrescidos de juros, a propósito da transferência de Marcos Rojo para o Manchester United em 2014.

O clube presidido por Bruno de Carvalho garantiu que a razão estava do seu lado durante todo o processo, mas perdeu a causa, apesar de continuar a insistir que mantém a razão.

O valor total da indemnização, entre juros e a verba que o Sporting já pagou (4,5 milhões de euros), ascenderá a mais de 20 milhões de euros.

Comunicado publicado pelo Sporting:

Em virtude da decisão tomada pelo Supremo Tribunal da Suíça e de que hoje tomámos conhecimento, entende a Sporting Clube de Portugal - Futebol SAD fazer o seguinte esclarecimento:

1 - O Supremo Tribunal da Suíça decidiu não dar provimento ao recurso interposto pela Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD sobre o chamado "caso Doyen". Nesse sentido, foi confirmada a sentença proferida pelo Tribunal Arbitral do Desporto de Lausanne (TAS) que condena a Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD ao pagamento de 12 milhões de euros à Doyen acrescidos de juros.

2 - A manutenção de situações como esta é uma das muitas razões que têm levado o Presidente do Sporting CP a manifestar publicamente, em inúmeras entrevistas, "vergonha" pelo estado em que se encontra o mundo do Futebol.

3 - Apesar de estarmos absolutamente convictos de que a razão nos assiste e está do nosso lado - e a prova de que é assim foi, não só o apoio manifestado pela FIFA e pela UEFA em diversas ocasiões à posição do Sporting CP sobre este tema em concreto e sobre a questão dos fundos em geral, mas também o facto de terem tido intervenção directa no processo - foi também afirmado em diversas Assembleias Gerais da SAD e do Clube e noutros fóruns que este era um processo que poderíamos perder tendo em conta o carácter cego da Justiça.

4 - A Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD reitera que os impactos financeiros decorrentes desta decisão já tinham sido integralmente provisionados nas contas da Sporting SAD, não apresentando qualquer risco para as mesmas, não sendo necessária a venda de activos como por exemplo a alienação de direitos desportivos de atletas, cumprindo as regras do Fair Play financeiro e a reestruturação financeira aprovada em 2013.